Archive

conversas

Posts on conversas.

A felicidade que vemos nas redes sociais

Love Likes

Meio mundo compartilhou esse link aqui. O legal de ter acompanhado esse movimento foi notar que diferentes tipos de perfis, acompanhados de opiniões quase que unânimes, divulgaram o vídeo. Em alguns casos foi até curioso perceber que ‘aquela’ pessoa tinha um discursos super ‘o amor está em você’ acompanhando o post, sendo que no tete-à-tete a coisa é bem diferente. E nem é só com você…

https://www.youtube.com/watch?v=QxVZYiJKl1Y

Bom, mas voltando ao vídeo porque não, não vou entrar numa de julgar os outros, pelo menos não aqui no blog… O curta intitulado ‘What’s On Your Mind?’ conta a história de alguém que poderia ser eu, você, o amiguinho da escola que você reencontrou depois de anos no Orkut. A personagem se vê diante do computador, numa dessas noites em que todos estão em alguma festa incrível, jantando uma maravilha, viajando, e você tá em casa, esparramado no sofá, vendo televisão. Quem nunca se viu nessa situação e se sentiu mal nem que fosse por alguns minutos? Aquela sensação de que todo mundo é muito mais feliz do que você, que tá ali com cream cracker velho e requeijão?

O curta segue adiante e nos mostra um personagem que resolve ser feliz também, fantasiando na rede social tudo aquilo que realmente acontece com ele. Pneu furado? Vira uma corrida incrível. Demissão? Que nada, pediu as contas em grande estilo! Resumindo: aquela eterna necessidade do ser humano de sair por cima. Porque só os losers contam as derrotas para os outros, certo?

Em tempos rasos onde tanta gente anda sendo superficial, mais vale uma vitrine cheia de conquistas do que um muro das lamentações. Se você reclama muito, desabafa, é um chato deprê, ninguém quer ser seu amigo. O curioso é que as mesmas pessoas que criticam os ‘revoltados’ também criticam os felizes demais (mesmo que seja fake). Tempos difíceis, onde ninguém sabe o que quer…

A conclusão que tiro disso tudo? O problema não é a grama do vizinho (aparentar) ser mais verde – por mais que seja fake e você saiba disso; a questão a gente realmente não abraçar a causa da felicidade. ‘Seja aquela pessoa pela qual você se apaixonaria’, diz uma imagem fofa compartilhada no Instagram. Mas, que tipo de pessoa é essa? Uma pessoa sincera que, de vez em quando é desagradável? O ombro-amigo que dá colo sempre que todos precisam? O comediante que tem uma vida leve e brincalhona, assim como os memes que inundam sua timeline? São muitos tipos de pessoas que podemos ser. Será que esse é o tipo de pessoa que o mundo quer?

Deu nó na sua cabeça todo esse papo? Conta pra mim! :)

Publicado por

Feito gato em cima do muro

Be What You Are |Maionese
Via Pinterest

Desde que me entendo por gente, tenho dificuldade de aceitar pessoas do tipo “em cima do muro”. Sabe aquele papo “precisamos respeitar as pessoas como elas são”? Bla bla bla bla bla meu cooh. Sejamos honestos: nós NUNCA aceitamos o outro como ele realmente é. Pode ser que você tolere. Ou não. Fato é: vamos sempre ter uma opinião sobre o outro. É essa opinião que nos aproxima ainda mais de uns e nos repele de outros. Tem gente que vai gostar de você. E tem gente que não vai gostar. A vida é simplesmente assim.

Aquele papo furado de “não julgar ao próximo”. Quem não julga, meu Deus? É assim que (in)felizmente vamos escolhendo as pessoas dos nossos círculos de convivência diária. Seja porque temos interesse em crescer de alguma forma ao lado dos escolhidos (seja de forma positiva ou parasita) ou porque apenas gostamos de estar ao lado de determinada pessoa. É pelo papo, pelas ideias, pelas bandeiras que a pessoa levanta. Em um tempo como o nosso, onde não há chance para o desperdício, não buscamos o conflito, o embate… que estejam a nossa volta àqueles que massageiem o nosso ego de alguma forma.

E nesse mundo de imparcialidades, consigo visualizar alguns tipos bem comuns. Há os “políticos”, que apenas sorriem e acenam para tudo e todos. Em geral, são sempre muito legais, queridos e ao mesmo tempo fechados. A gente nunca sabe o que acontece ali dentro. Talvez nem a própria pessoa saiba. Há também aqueles que levam e trazem informações, tipo o corvo do Game of Thrones. Ele diz que não se mete mas sem querer joga um pouco aqui e acolá. Esses são os mais perigosos, na minha opinião. E, por fim, há as amebas: não sorriem, não acenam, não fazem fofoca… será que respiram? Se alimentam de luz?

E nesse mundo tão cheio de “mais amor por favor”, as pessoas confundem essa omissão, essa ausência de opinião, com respeito ao próximo. Acho que não há nada pior na nossa geração do que esse sentimento coletivo de não querer levantar bandeiras. Falar de política no Face? Ain, não, não quero ser polêmico. Dar um conselho sincero pro amigo que tá nitidamente angustiado? Pra que, com o tempo passa… E assim vamos perpetuando o ser humano apático, superficial ao extremo. Carinhoso e emotivo no chat do WhatsApp mas que, ao vivo, não te olha nos olhos. Nem que seja pra falar “eu não quero mais saber de você”.

E nesse mundo repleto de gente que evita a fadiga, vamos seguindo cada vez mais superficiais, alheios e vazios. Vivendo a segunda, a terça, a quarta, pensando no chopp de quinta, sexta, reclamando no domingo e assim por diante. Em tempos de coisas tão belas, gente sem vida. Sem brilho. Sem coragem pra ser aquilo que se é.

Publicado por

Uma carta para meu eu de 10 anos atrás #rotaroots

10 anos atrás | Maionese

Oi, Raquel.

“Como o tempo passou rápido”. Nada mais clichê pra começar uma carta mas não há frase que melhor se encaixe nesse momento. Dez anos, que englobam a transição de uma vida de jovem-adulta para adulta-for real.

Nesses 10 anos você mudou de carreira três vezes. Também né, como podem querer que aos 18 anos você saiba o que quer fazer da vida pra sempre? É muita pressão para alguém tão jovem… uma responsa que na maioria das vezes não estamos preparados pra aguentar. Na época, a faculdade de História. Aquele drama para finalizar a monografia, a ansiedade pelo fim da graduação, em paralelo ao desespero de se tornar uma formanda desempregada.

10 anos atrás | Maionese

Depois, veio a faculdade de Turismo, uma viagem para os EUA com bandeiras de independência – na verdade tratava-se de uma fuga quase adolescente: aquela em que pegamos uma mochila e meia dúzia de razões, mas no fundo é só rebeldia sem causa. Aqueles foram tempos de descoberta, de amor e de saudade.

Nesses últimos dez anos você riscou do papel muitas possibilidades de ~ser feliz~. No amor, no trabalho, na amizade. E quando parecia não haver mais o que fazer da vida, você olhou para as coisas que gostava de fazer e foi aí que se encontrou de vez. Olha que curioso: um hobby que você sempre gostou te levaria a conseguir seu primeiro estágio em uma agência descolada. A Raquel já formada, mais velha que os demais estagiários, recomeçaria outra vez.

10 anos atrás | Maionese

É, garota. Esses últimos 10 anos foram corridos. Mas vou te falar? Parece que a Raquel de 22 anos “aconteceu” em outra vida. Como você mudou, garota. Aquela intensidade em viver as coisas continua a mesma mas a insegurança ao fazer as escolhas… Nada como uma porrada atrás da outra pra amaciar a carne.

O meu maior conselho é: viva o que você achar que tem que viver. Faça o que você achar que tem que fazer? Pode ser que dê certo. Pode ser que dê tudo errado. O máximo que vai acontecer é ter que recomeçar. E você vai errar mil vezes. Vai julgar mil vezes. Vai se arrepender mil vezes. E vai sorrir também. Vai olhar ao redor e dar graças a Deus, de alegria ou de alívio. E o principal: vai manter a ternura em valorizar todas aquelas pequenas coisas. Aqueles detalhes miúdos que dão o colorido aos nossos dias. Vai compartilhar boa parte deles nas suas fotos, nos seus textos, ou então guardar esses momentos bonitos consigo. Quem sabe um dia eles passam naquele filme que a gente provavelmente assiste quando a vida chega ao fim.

10 anos atrás | Maionese

OBS: Todas as fotos do post vieram do meu falecido Fotolog e foram tiradas há exatos 10 anos atrás.

***

Blogagem coletiva do mês do grupo Rotaroots no Facebook inspirada por uma TAG vista no Hypeness.

Publicado por

De onde eu blogo? #rotaroots

Rotaroots: de onde blogo | Maionese

Conheci o Rotaroots a partir de uma postagem da Victoria do Borboletando. O projeto é muito divertido e eu já reencontrei vários blogs que lia antigamente por causa dos posts no grupo. A ideia do Rotaroots é reunir gente que curte blogar como antigamente, aquela blogagem moleque, de várzea, dos tempos em que ninguém pensava em enviar brinde pra blog, muito menos se preocupava com pageviews e essas macaquices.

E como em todo grupo de apaixonados por blogs, tinha que ter uma postagem coletiva! \o/ Esse mês, forma sugeridos dois temas: o meme de onde eu blogo e a postagem coletiva coisas que não vivo sem. Achei legal mostrar pra vocês o meu cantinho, que é também o meu home office. É daqui que sai a maioria dos posts tanto do Maionese quanto do Gordelícias. Muitas vezes eu acabo trabalhando da sala, principalmente quando tá muito quente – visto que aqui no escritório não tem como colocar ar condicionado e só o ventilador muitas vezes não dá conta.

Dei até uma arrumadinha pra vocês, vem ver!

Rotaroots: de onde blogo | Maionese

Rotaroots: de onde blogo | Maionese

A mesa foi feita com uma placa de madeira que sobrou do armário do meu irmão. Quando pegamos o apê, grana curta, investimos no esquema “madeira + cavalete”. Caiu como uma luva! O tamanho deu certinho no canto aqui do quartinho de serviço. Ao lado da mesa fica uma outra mesinha onde coloquei a impressora e alguns papeis e arquivos.

Minha mesa tem um monte de canetas e material de escritório (clips, grampeador, fita adesiva). Na minha frente, uma cortiça que eu customizei (aqui ensino como fazer). É nela que coloco alguns cronogramas e planejamentos, além de fotos.

Rotaroots: de onde blogo | Maionese

Peguei uma luminária de Natal e fiz um varal de fotos da Instax Mini. Nessa foto não dá pra ver direito mas é o John deitado na cama!

Rotaroots: de onde blogo | Maionese

Rotaroots: de onde blogo | Maionese

Rotaroots: de onde blogo | Maionese

Acima, pedacinhos das prateleiras aqui do escritório. Tem fotografia, bibelô e outros elementos que dão o nosso toque ao escritório. É um dos cantinhos que mais gosto na casa, sem dúvida!

Rotaroots: de onde blogo | Maionese

Acima, uma parte dos meus livros de culinária. Eles ficam em uma mini-estante que coloquei aqui no escritório. A outra parte dos livros fica na estante maior, ao lado da sala. Qualquer dia mostro pra vocês.

E vocês, de onde blogam ou leem seus blogs favoritos? Me conta, vai?!

Uma nova fase para o Maionese

Makes You Happy | Maionese

Esse blog existe há muitos anos. E nesses anos de existência, já teve vários formatos, layouts e linhas editoriais. No começo, era um blog muito mais pessoal, cheio de conversas que muitas vezes eu tinha comigo mesma e acabava trazendo pro blog porque esse é o meu mundo desde bem nova (dos tempos do blog de várzea, blog moleque).

Ter um blog sempre fez parte da minha vida online. E toda essa vivência me mostrou o que eu queria/não queria em relação ao assunto. Acabei restringindo o lado mais pessoal, focando em assuntos mais abrangentes e aleatórios como música, design, cinema, livros… No entanto, todos esses assuntos continuavam falando muito sobre mim. Se resenho um livro aqui, é porque ele fez parte da minha vida durante alguns dias, me influenciou de alguma forma, me fez sorrir/chorar… E isso é muito bom.

Ao criar uma página no Facebook para o blog vi que ela começou a receber likes de pessoas que nunca vi na vida. Pessoas que nunca deixaram um oi aqui, que posso ter cruzado na rua sem nem saber que ela leu tudo que escrevi nesse canto. Sobre alguma viagem que fiz, algum filme que assisti… E isso é deveras bacana ao mesmo tempo que assusta: mesmo estando nessa área há algum tempo, mesmo tendo um outro blog grandinho, esse canto aqui é como se fosse um pedacinho da minha vida pessoal.

Seguindo esse raciocínio, olhei para as últimas postagens… e percebi que aqui não tem tudo o que eu gostaria de falar. É como se eu me privasse de abordar certos assuntos aqui no blog para manter uma pegada que nem eu estava curtindo mais. Tinha um certo receito de falar sobre coisas aparentemente bobas pra poder continuar com uma abordagem mais “variada”. E assim deixei pra lá coisas bem legais como a minha fase “corredora”, a fase trintona que começa a cuidar dos primeiros cabelos brancos… Comecei a sentir falta de compartilhar alguns desses assuntos. Pensando nisso, resolvi ampliar as categorias do Maionese. Além de inspiração para o lar, você vai esbarrar em posts sobre cabelos. E sobre batons, sapatos… alimentação, corrida. Nada mais justo pois esse é um blog sobre as coisas que a Raquel gosta de fazer/ler/ouvir/assistir – provavelmente você também faz isso tudo (e mais um pouco).

Alguns de vocês me acompanham há anos (eu sei quem são). Outros são novatos que aterrissaram buscando algo no Google. A todos vocês, obrigada pela atenção e pelo carinho. Resumindo: a partir de hoje vou me permitir cada vez mais nesse cantinho e espero o feedback de vocês sempre que tiverem vontade de falar alguma coisa. Seja nos comentários ou por email. Seja no Facebook ou no Twitter. No Instagram. Espero trocar cada vez mais as experiências. E que vocês curtam cada vez mais esse espaço, que é feito “with love from me to you”.

Publicado por

Artista cria série fotográfica com comentários de haters

Lindsay Bottos Project | Maionese

… I get tons of anonymous messages like this every day and while this isn’t unique to women, the content of the messages and the frequency in which I get them are definitely related to my gender. I almost exclusively get them after I post selfies. The authority people feel they have to share their opinion on my appearance is something myself and many other girls online deal with daily.

Lindsay Bottos é uma estudante de fotografia, tem 21 anos e mora nos Estados Unidos. Para compartilhar seus estudos e inspirações, ela criou um site, como qualquer mortal faria. Lindsay poderia ser eu, poderia ser você.

Por conta de sua exposição, Lindsay passa por um problema tão comum dos dias de hoje – e extremamente banalizado: diariamente, recebe mensagens anônimas ofensivas, como a da primeira foto do post. E como veremos nas imagems a seguir:

Lindsay Bottos Project | Maionese

Lindsay Bottos Project | Maionese

Lindsay Bottos Project | Maionese

Lindsay Bottos Project | Maionese

As imagens fazem parte de um projeto criado por Lindsay, onde ela compartilhacom seus seguidores as mensagens anônimas. Quem nunca foi agredido verbalmente pela internet? Se você tem blog, seja famoso ou não, certamente já passou por esse tipo de cyberbullying. Para a jovem norte americana, o fato de ser mulher faz com que esse tipo de atitude seja ainda mais frequente. E eu concordo: nós mulheres estamos mais expostas a esse tipo de comportamento covarde e doentio pelo simples fato de sermos mulheres.

Em cada foto, ela incluiu uma das mensagens. Pelo teor, a gente saca o absurdo aos quais a jovem é obrigada a se submeter. Aliás, essa discussão me lembrou um artigo escrito por Lauren Mayberry, vocalista do trio CVRCHES. No artigo, a vocalista compartilha a sua insatisfação com o comportamento agressivo de internautas e “fãs” que enchem a caixa de entrada da banda diariamente com mensagens sexistas e pornográficas. Lauren diz “I’ll not accept online misogyny” >> “Não vou aceitar misoginia online”.

Falta compaixão e empatia, sobra egoísmo e falta de bom senso.

Via Hypeness.

Publicado por