Archive of ‘conversas’ category

30 coisas aos 30

30 things at 30

A cada década que a gente completa, sempre rola aquele balanço geral da vida (com exceção dos 15 anos, que é sempre uma data emblemática na vida de um ser humano, pelo menos para as meninas). Quando chegamos aos 30, parece que a coisa se torna mais séria, essa brincadeira de viver. Você já não é um jovem adulto mas precisa ser alguém que a sociedade vai ver como bem sucedido. Já deu tempo de fazer faculdade, amadurecer em uma profissão, conhecer alguém… É, quem dera que fosse assim… rs.

Foi pensando nessas questões que Fabricio Lima produziu o vídeo “30 things at 30″:

Last year, on 5th of January of 2012, I reached my 30th birthday on a hot summer day in Australia. I was a feeling a bit weird and lost. So I decided to list 30 things I knew about myself so far… I been staring at that list during the whole year and realizing that most of them wouldn’t change with time… I decided to create a GIF animation to each one of them.

O resultado é esse vídeo fofo, que você confere aqui ou clicando no player abaixo:

Uma coincidência bizarra: Fabricio fez 30 anos no dia 05/01/2012. Um dia depois do meu aniversário de 30 anos. Pelo visto, as questões continuam ecoando… do lado de cá também (e acho que sempre vão ecoar…).

Via Don’t Touch My Moleskine.

Feliz Natal e Feliz 2013

20121225-180144.jpg

 

Essa é a minha família, desenhada pelo Pedro Quintino

Pausa para as festas de fim de ano. Break mais que merecido depois de um 2012 cheio de altos e baixos. Cada “baixo” foi recompensado com “altos” incríveis. Hoje tenho uma segunda família, formada por dois grandes amores.

Desejamos a todos um Natal maravilhoso e que 2013 seja ainda mais fodão!

Eric Hobsbawm (1917-2012)

Eric Hobsbawm foi, sem dúvida, um dos maiores historiadores de todos os tempos. A herança deixada em forma de livros, inspirou e ainda há de inspirar milhares de estudantes e apaixonados pelas mudanças da nossa humanidade. Sem falar na militância comunista, certo?

Hobsbawm não era apenas um “estudioso do marxismo” mas alguém que buscou entender as relações sociais da nossa espécie. E o fez com primor.

Obrigada pela História Social, obrigada pela contribuição a respeito do “breve século XX”, obrigada também por escrever “A Era dos Extremos” e todas as outras “eras” que você escreveu. Todos os historiadores do mundo te agradecem e te aplaudem de pé.

Linha Tramontina Rock ‘n Cook

Não tenho palavras pra descrever todo o amor que sinto nesse momento, pela coleção Rock’n’Cook da Tramontina.

O linha completo vem com 10 peças: uma assadeira funda com 28cm, uma frigideira de 20cm, uma panela de 18cm, uma faca para carne, um garfo trinchante, uma espátula e uma colher de arroz em nylon, um saca-rolhas com abridor e canivete, uma tábua em formato de guitarra e uma sacola, que imita uma guitarra. O valor dessa brincadeira é alto mas também é possível adquirir algumas peças da linha “du rock” separadamente.

Só digo uma coisa: I DIE. Pra quem amou, tem pra vender aqui ó.

Via Prateleira.

Sarcasm Detected: “The Instagram Song (Put A Filter On Me)”

O mundo está “instragramizado”, isso é um fato. Porque tudo fica mais cool, bacana e bonito quanto a gente taca um filtro na fotografia.  O Tiago, um querido que conheci na MISSA, escreveu esse texto incrível fazendo um recorte super inteligente da vida pós-Instagram.

“O que a gente coloca no Instragram é uma amostra muito ínfima do que gostamos de fato. Temos tempo de avaliar o que vão pensar, quem vai curtir. Conseguimos fazer o filtro certo da informação. Sob o filtro certo para a imagem.”

Daí vem uma moça chamada Julia Mattison, já famosa no YouTube por fazer paródias que grudam, e compõe “The Instagram Song (Put A Filter On Me)”. O vídeo é engraçado, a canção é gostosinha e a letra é um tapa na cara, com tiradas inteligentíssimas. Quem nunca se viu fazendo malabarismos pra fotografar no meio da rua?

Lo-Fi, Amaro, just two filters you have to know/ Take a picture of the sky/ a sexy filter on a homeless guy”

O vídeo exagera em algumas nuances, mas é tudo na base do bom humor. Assista e fique com o ukulele em loop na sua “rádio mental” depois:

Eu engrosso o coro tanto do Tiago quanto da Julia, mas vou além: será que a gente “abusa do Instagram” na vida como um todo? Algumas vezes, pode ser saudável “disfarçar” algo sem graça ou ruim com “filtros” que a gente cria. Mas às vezes é apenas uma forma de maquiarmos uma vida de intatisfação, comodismo e vazio.

Digital Junkies

Vocês já devem ter vivido essa experiência muitas e muitas vezes: viagem com amigos, lugar incrível. Música boa, comidinhas, diversão. Você olha pro lado e tem sempre aquele amigo que não interage muito, porque está grudado no celular atualizando o Facebook/Instagram/Twitter (tudo ao mesmo tempo), contando para todos os seus amigos, em suas redes, o quão incrível está aquela viagem.

Nessa “atualizadinha”, o amigo checa emails, vê que o disco da banda X saiu, que o melhor amigo de todos os tempos mudou de emprego e por aí vai, se perdendo em um turbilhão de informações que estão ali, super acessíveis, dependendo apenas de um pacote de dados decente.

A maneira com a qual consumimos informação hoje em dia é assustadora. Tá tudo ali ao nosso alcance, nos dispositivos móveis, na hora que a gente quiser – e quando a gente não quer também. A vida dos amigos no Facebook, notícias dos principais periódicos internacionais, músicas, lançamentos, filmes, livros, é informação que não acaba mais. E onde sobra tempo pra digerir esse tanto de coisas? Será que faz bem pra gente viver imerso em tantos updates?

O vídeo “Digital Junkie – Information Overload” faz uma análise muito interessante desse momento em que vivemos. Com dados estatísticos, nos leva à pergunta: o que podemos fazer para tirar o pé do freio?  Assista clicando no player abaixo ou aqui.

E vocês, o que costumam fazer para “se desplugar” de vez em quando?

Via Don’t Touch My Moleskine, no Facebook.

Operação Sorriso: próxima parada é no RJ

 

A gente queria pedir alguns minutinhos da sua atenção, querido leitor, para uma causa social muito importante. Muitos de vocês já devem ter ouvido falar da Operação Sorriso, uma organização não-governamental formada por diversos profissionais da área da saúde e outras áreas (gente como a gente, sabe?) que tem como objetivo ajudar crianças que nasceram com deformidade facial, em específico a fissura lábio-palatina.

Desde 1982, a Operação Sorriso tem oferecido cirurgias gratuitas para crianças em mais de 50 países, devolvendo a elas o sorriso e a esperança de um futuro melhor. Graças ao trabalho desses voluntários e parceiros, mais de 160.000 crianças, sendo mais de 3.500 somente no Brasil, tiveram a chance de uma nova vida. É emocionante ver a alegria das crianças ao se olhar no espelho depois da cirurgia.

A próxima parada da Operação Sorriso é no Rio de Janeiro. Entre 31 de maio a 1º de junho, acontecerá a seleção que visa preencher 100 vagas para cirurgias corretivas gratuitas. A seleção dos pacientes será realizada no Centro de Tratamento de Anomalias de Crânio-Faciais (CTAC – que fica na Avenida Marechal Rondon, 381 – São Francisco Xavier – RJ), a partir das 8h. As informações podem ser obtidas por meio do telefone (21) 7979-5870.

Ao todo, cerca de 70 voluntários virão do mundo inteiro para a missão do Rio de Janeiro. Os colaboradores pertencem a diferentes especialidades como cirurgia plástica, enfermagem, anestesia, psicologia, ortodontia, fonoaudiologia, pediatria etc.

A gente sempre tem um conhecido precisando desse tipo de ajuda. Repassem, divulguem, vamos espalhar a notícia por aí!

Para saber mais sobre a Operação Sorriso do Brasil e sobre o programa médico-humanitário, acesse: http://www.operacaosorriso.org.br

Publicado originalmente no Gordelícias.

[Intro] Buenos Aires, Montevidéu e Punta del Este em 10 dias

Caminhadinha e um dia nublado em Buenos Aires

Eu tô devendo esse post desde março, eu confesso. Aconteceu tanta coisa desde o Carnaval pra cá que quando eu olho pra 2012, caminhando pra maio, penso que já passou uma vida desde o meu aniversário e o diagnóstico de um cisto, que me levaria pra mesa de cirurgia pela 1ª vez.

Recebi uma mensagem no Facebook outro dia, de uma querida que nunca vi pessoalmente mas que gosto um tantão de graça. Ela me pediu dicas de viagem de Buenos Aires, Montevidéu e Punta del Este, justamente porque ela fará a mesma trip com amigos nas próximas semanas. Percebi que era o momento de escrever algumas linhas sobre uma das viagens mais legais da minha vida, cheia de bonitezas, gostosuras e bons ares. Dividirei o post em três partes:

  • Onde ficar: na verdade, esse tópico deveria se chamar “onde ficar/NÃO ficar”. Porque nem tudo são flores, né? Mas, o que foi uma experiência ruim pra mim pode ser a melhor opção de hospedagem pra você e o seu bolso.
  • Onde passear: o que fazer além de visitar pontos turísticos lotados e com filas gigantes? Nem sempre dá pra fugir de programas de índio (até porque eles podem ser bem divertidos).
  • Onde comer: acho que essa é a minha parte preferida (Gordelícias feelings). Faltou espaço no estômago pra comer tudo o que eu queria nessa viagem… Mas, deu pra aproveitar e, por incrível que pareça, ainda voltar mais magra pra casa. Isso porque toda a comida que você coloca pra dentro é queimada em boas doses de caminhada pela cidade.

Vou escrevendo aos poucos, até porque é muito detalhe e referência pra incluir nos posts. Mas, se Deus quiser, virão dicas bacanas pra deixar a sua viagem ainda mais legal. Ou apenas entreter o leitor com imagens bonitas.

Sobre existir há trinta anos

Não deu nem tempo de montar uma listinha ao estilo “30 Before Thirty“.

Os últimos 12 meses da minha vida passaram tão depressa que ainda ontem eu estava na praia de Copacabana, imaginando como seriam os próximos meses da vida. Já formada (novamente), em busca de um emprego um pouco melhor, uma vida mais saudável. Acho que consegui realizar esses dois itens.

Tem gente que diz que fazer 30 anos é bobagem, que é apenas mais um aniversário. É a mesma galera que ignora datas especiais como Natal, Páscoa, dia dos Namorados, ou qualquer outra coisa que sirva como marco de qualquer coisa. Gente, aniversário é e sempre será especial. Mais do que Ano Novo: o aniversário é uma oportunidade de fazer um balanço do que você é. Pelo menos é assim que eu penso.

Assoprar mais uma vela, dessa vez a dos 30, é muito assustador mas ao mesmo tempo divertido. Parece que você sobe mais um degrau na vida, sabe? Se é que existem degraus… Mas parece que alguma coisa muda aqui dentro sim, é psicológico. E nem é ruim, do tipo “você ainda mora com seus pais?”, “você ainda tá namorado e não é casada?”. Muito pelo contrário, eu olho pra esses 30 anos e vejo um monte de coisas: lugares que fui, gente que conheci, fotografias que tirei, comidas que já provei, cheiros que já senti. Abraços, dos mais variados. Foram inúmeras folhas de caderno riscadas com conhecimento – três faculdades – livros e mais livros lidos, monografias, conhecimento adquirido.

São várias fitas cassetes e cds com “trilhas sonoras”.

São vários pequenos filmes.

Contos.

Segredos.

Alegrias.

Amizades.

Amores.

Hoje, um único amor, o que eu quero que me acompanhe por mais 30 anos (e mais trinta, até a gente ficar velhotinho).

Então que eu vou assoprar essa vela com os meus amigos queridos, hoje e no próximo sábado. E eu tenho certeza que vai ser especial. Porque não é todo mundo que chega “aqui” com esse tanto de bagagem (e uma carinha de 20 anos, fazer o que HAHAHAHHA).

1 ano

6 anos

11 anos

16 anos

21 anos

26 anos

Agora há pouco…

(depois do dia 07/01 eu tenho certeza que entrará um post super meloso e sentimental aqui no blog… e a culpa será de cada “maldito” que fez e faz parte da minha vida, nesses anos já cultivados…)

O governo do RJ e o Passinho do Menor da Favela

Há alguns meses, o governo do Estado do Rio de Janeiro colocou o bloco na rua com uma campanha publicitária muito bacana, chamada “RJ – Marca Registrada do Brasil“. Inspirados no símbolo de copyright, a campanha brinca com o “RJ” – sigla do estado (dãããr) e associam a essa marca características como alegria, beleza, energia, estilo, inovação e paixão.

O mais interessante da campanha é que, pra vender as melhorias proporcionadas por uma gestão de governo, são utilizadas peças publicitárias – boa parte em vídeo – que falam do cotidiano das pessoas que fazem do Rio de Janeiro um lugar especial. Moradores, turistas e personalidades famosas; cada um conta um pouco da sua relação com o estado.

Um dos vídeos que achei mais bacana foi esse que estou postando no blog, mostrando o dia a dia de menores de comunidades do RJ que estão conquistando o seu espaço por meio da dança. Vocês conhecem o “passinho”? Pois larguem mão do preconceito com o funk e assistam a esses dois minutinhos (link aqui para os leitores de feeds/newsletter):

Nem tudo está perdido, não é mesmo? :)

Conversinha de Natal

O Natal chegou e com ele vem sempre a certeza de que o tempo está passando rápido.

Há 12 anos, meus anos eram medidos com duas férias escolares e períodos de provas. Nas férias, a certeza de poder dormir até mais tarde e assistir aos filmes da Sessão da Tarde. Comer como se não houvesse amanhã também fazia parte dessa época, eu era tão magrelinha que mandava qualquer coisa pra dentro e o corpinho continuava em forma.

O Natal hoje tem outro significado pra mim. Aliás, a cada ano que passa, ele ganha mais peso e importância. Esse ano, será o primeiro Natal sem o meu irmão em casa – agora que ele é um homem casado. É também um momento de pensar sobre as conquistas de 2011. Porque, por mais que ao virar do ano eu continue no mesmo emprego (graças a Deus), com o mesmo namorado e morando (ainda) no mesmo lugar, é como se tivéssemos a oportunidade mágica de zerar certas pendências, fazendo votos para que o próximo ano seja ainda melhor.

A grande verdade é que a gente nunca vai saber o que nos espera nos próximos 12 meses. Mas é aquela: boa parte do que está por vir está sendo construído, a cada dia, por nós mesmos.

Amo o Natal não só pelos presentes mas pela oportunidade de ficar ainda mais próxima da minha família, mesmo que por uma tarde. Na cozinha, assando junto com o peru de Natal, a gente conversa e sempre passa um filme desde o dia em que eu comecei a lembrar de tudo e todos. Hoje, com quase 30, ainda lembro dos primeiros natais, com chuva, à espera do “papai noel” (que a gente sempre soube que não existia). E assim vieram os primeiros vídeo games, o ferrorama, a casa da Barbie e, mais do que isso, mamãe, papai e vovó juntos. Sempre juntos!

Minha infância foi muito marcada pelo Snoopy e, como toda criança, eu tinha os meus personagens favoritos. Um dos meus preferidos era o Charlie Brown, que sempre me chamou atenção por toda a melancolia e tristeza que aquele menininho sentia.

Eu era viciada no especial de Natal deles e mesmo com o passar dos anos, essa cena aqui nunca saiu muito da minha cabeça:

Charlie Brown nunca entendeu o espírito do Natal. E eu me refiro a “Natal” não como uma data religiosa ou comercial mas como um momento pra estar junto, uma pausa meio que obrigatória pra que as pessoas possam conversar e se curtirem. E eu vejo tantos “Charlie Browns” por aí…

Na dúvida, eu prefiro aproveitar a data pra desejar aos meus amados tudo o que não consigo fazer ao longo do ano, seja porque a gente “não tem tempo” ou porque acabou não rolando: amor, tranquilidade e serenidade para seguir o resto dos dias.

Uma mensagem para 2012

Eu provavelmente voltarei nesse blog antes do ano acabar.

Mas, como essa é uma época em que muita gente já começa a zarpar, por conta dos feriados, quero aproveitar 5 minutinhos da sua atenção – nobre leitor – pra deixar uma mensagem carinhosa. O mais engraçado é que eu li essa mensagem hoje de manhã, enviada pelo Personare. Sinceramente, nem tenho acompanhado essas coisas de signo/horóscopo mais, no entanto continuo recebendo a newsletter deles porque volta e meia vem uma mensagem motivadora, dessas que fazem você viver o dia de uma maneira mais bacana.

O mais interessante dessa mensagem é que ela te faz um convite, quase irrecusável. Dá uma olhadinha:

“Não vou desejar que nesse ano encontre paz e felicidade permanentes. Não vou desejar que supere todas as suas metas e vença todos os desafios, encontre alegria no amor, fique rico e seja sempre a pessoa mais linda e simpática do planeta (mas vou desejar saúde. Porque com saúde não se brinca). Não vou desejar que 2012 seja o melhor ano de todos os anos de sua vida.

365 dias é muito pouco para todas as conquistas, todos os desafios e tudo o mais que deseja fazer, ser e ter.

Esse ano, quero desejar outra coisa.

Desejo que se lembre de todas as conquistas que teve. Que olhe para trás e veja tudo o que foi aprendido, se lembre de todas as pessoas que apoiaram e quem você foi em todas essas situações.

Que determine a vida que quer levar. De repente não é a que está levando agora, a que seus pais querem que leve. Ou seu amor. Ou seus amigos. Ou sua comunidade. Pare e pense na vida que você quer ter.

Escolha as pessoas que lhe acompanharão. Aquelas que agregam, que lhe dão apoio em todos os momentos. Escolha as que quer ao seu lado e querem estar ao seu lado.

Descubra o que lhe dá prazer e trabalhe para que seja constante em seu dia-a-dia.
Faça o que você ama e ame o que faz.

Reconheça as características pessoais que não gosta e aprenda a mudá-las (ou aceitá-las). Você pode ser uma pessoa melhor todos os dias. Por que quem você quer ser já está dentro de você. Então, procure. Insista e não desista. Sim, um ano inteiro é muito pouco para tantos desejos.

Então, vamos lá. Procure dentro de você a força que precisa. Suspire fundo. Comece. Agora.

Sua vida está esperando.

Feliz vida pra você!

Beijo grande!

Imagem: We Heart It.

1 2 3 4 7