Archive of ‘entretenimento’ category

Meme: 5 coisas para fazer na minha cidade #rotaroots

Rio de Janeiro | Maionese

Todo morador do Rio de Janeiro já deve ter passado pela seguinte situação: em meio à correria diária, se deparar com cartões postais bem ali, debaixo do nariz. Mas antes que você pense que estou falando dos cenários de Manoel Carlos ou de DVD pra gringo vendido no camelô, não, pera, eu não tô falando só de praia e garota de Ipanema. Falo da Cinelândia, da Central, do trem que traz gente de longe, da Baixada. Essa mistura de urbano com a brisa da Baía de Guanabara, não tem jeito, as coisas aqui SÃO diferentes. E não há como evitar o inevitável: se apaixonar pela Cidade Maravilhosa.

Infelizmente, minha cidade querida não vive um momento muito bom. Além de toda a violência que os cariocas sofrem (engarrafamento desumano, assaltos, o medo eterno de ter algum pertence furtado…), ainda temos que engolir governantes que parecem viver em outra dimensão. Por motivos de “quero evitar a fadiga”, não vou discorrer sobre o que penso do prefeito e dos vereadores. Pelo contrário, quero justamente enaltecer alguns dos muitos positivos desse lugar lindo e maravilhoso. Vai ser difícil pois são muitas qualidades e coisas deliciosas para fazermos. Então selecionei 5 coisas que eu indicaria um amigo de outro país/estado/cidade a fazer.

Como moro na Zona Norte da cidade, não costumo andar de bike no Aterro nem bater palma pro pôr do Sol no Arpoador. Mas prometo a vocês que darei sugestões bem legais. Vem ver!

1. Assistir a algum show no Circo Voador

Circo Voador | Maionese
Imagem: Scream & Yell

Não importa se é show da Gal Costa ou do Mr. Catra. A atmosfera do Circo Voador é mágica e transforma todos os shows em experiências inesquecíveis! Torça para uma noite de céu estrelado e ventinho. Se o clima permitir, abuse do frozen de maracujá com gengibre servido no recinto. Se o cansaço apertar, há cadeiras do lado de fora da arena, que é coberta e possui arquibancadas. O som às vezes peca mas em geral dá pro gasto.

Alguns dos melhores shows que assisti na vida rolaram no Circo.

2. Conhecer a Feira do Rio Antigo

Feira do Rio Antigo | Maionese
Imagem: Âncorela

Todo primeiro sábado do mês, rola uma feira de antiguidades e artesanato muito legal bem ali na Rua do Lavradio, na Lapa. As barraquinhas se estendem por toda a rua mas se você não quiser bater perna, não tem problema: há dezenas de bares na mesma rua – e também nas ruas ao lado, como a Mem de Sá. Peça um chopp, feijoada ou petiscos, e seja feliz.

Desça na Cinelândia e “canele” até à Feira. Você vai passar pelos Arcos, parada obrigatória para um clique.

3. Fazer a travessia Praça XV x Niterói de barca

Praça XV | Maionese
Imagem: Panoramio

Quando era pequena, não tinha carro. Aliás, só fui ter carro quando comecei a namorar meu husband. Além disso, sempre morei um pouco afastada do Centro ou de bairros com shoppings e teatros. Mamãe se virava nos 30 pra levar os pequenos ao cinema, essas coisas. Pois que um dos passeios que ela adorava fazer com a gente era passear por Niterói. E pra chegar lá, ao invés de pegarmos um ônibus ou táxi, íamos até o Centro e de lá tomávamos a barca, cruzando a Baía de Guanabara.

Ela sempre apontava para os lugares e explicava a história de cada um. Mas atenção: dependendo do dia e da hora essa aventura pode ser um pouco mais confusa devido ao congestionamento do serviço (evite horários de pico).

4. Caminhar pelo Centro

Centro do Rio | Maionese

Pegando carona no tópico 3, o meu amor pelo Centro surgiu com a minha mãe, que sempre levou a gente pra bater perna no Centro. Até meus 8 anos (acho) não tinha shopping no bairro então toda vez que precisávamos de roupas, íamos até à Mesbla, C&A de lá e fazíamos a festa.

Mesmo sendo um pouco caótico, é sempre uma delícia passear pelas ruas históricas do Rio, que contrastam lindamente com as avenidas e carros modernos. Tem barzinho, tem restaurante delícia, tem livrarias legais. Tem a Biblioteca Nacional, o SAARA (melhor lugar pra comprar tranqueira), tem a Confeitaria Colombo… er, esse é o próximo tópico.

5. Comer na Confeitaria Colombo

Confeitaria Colombo | Maionese
Imagem: Hostel Bookers

A Confeitaria Colombo é um dos lugares mais bonitos do Centro. Alguns quitutes são um pouco mais caros do que em outros lugares (tipo uma coxinha) mas não importa, você paga só pra ter o prazer de desfrutar das bonitezas do local.

Se estiver morrendo de fome, encare o sanduba que vem acompanhado de fritas (é bem grande) ou então faça um brunch (e a festa) com o café completo que eles servem na casa. Adoro esse lugar!

Você é do Rio? Que lugares indicaria como atrações imperdíveis na cidade? Tive que deixar muita coisa de fora da lista (como restaurantes preferidos, passeios…) mas né, é impossível resumir a experiência de cariocar em apenas cinco itens!

***

Este post faz parte do rotaroots, grupo de blogueiros de raiz que organiza blogagens coletivas e tenta manter a blogsfera viva. Se você se identifica com o projeto, vem com a gente clicando aqui.

Imagens inéditas de Star Wars

Star Wars | Maionese

Dia desses, fomos surpreendidos com a divulgação de algumas imagens inéditas do elenco de Star Wars (a trilogia original) “por trás das câmeras”. O ator Peter Mayhew, que deu vida ao querido e amado Chewbacca, liberou geral em seu Twitter, fazendo a alegria de fãs apaixonados – como eu.

Algumas fotos já circulavam pela internet mas boa parte delas era desconhecida. Nossa, que coisa linda, material riquíssimo! Até escorreu uma lagriminha porque lembrei de várias cenas dos filmes. Vem ver que coisa bonita:

Star Wars | Maionese

Star Wars | Maionese

Star Wars | Maionese

Star Wars | Maionese

Star Wars | Maionese

Star Wars | Maionese

Star Wars | Maionese

Star Wars | Maionese

Star Wars | Maionese

Segundo Peter, o acervo de inéditas possui mais de 1200 fotos. Queremos mais, por favor! Por favorzinho!

Via Mirror.

Personagens de Breaking Bad estilo Os Simpsons

Breaking Bad

Graças à Netflix, tenho consumido vorazmente o universo das séries. Uma delas é Breaking Bad. Confesso que não consigo engatar muitos episódios por motivos de AGONIA. Isso mesmo: fico aflita com o desenrolar da história e, quando vejo, tô super tensa. Parece bobeira mas comigo acontece demais isso. E com vocês?

Bom, se consigo sentir isso tudo é porque as atuações são incríveis. Os personagens também. Por isso, quando bati o olho nas ilustrações feitas por  Adrien Noterdaem, que já fez o mesmo trabalho com os personagens de Game Of Thrones, achei muito bacana. E olha, ficou igualzinho!

breaking-simpsons1

breaking-simpsons3breaking-simpsons2
breaking-simpsons5 breaking-simpsons4
breaking-simpsons6
breaking-simpsons8 breaking-simpsons7
breaking-simpsons9
breaking-simpsons10

Via Rock’n Tech.

Novo vício: Orange Is The New Black

love-netflix

Outro dia comentei no Facebook sobre o meu amor em relação à Netflix. Quando morei nos EUA, tinha uma assinatura da Netflix, que na época funcionava como uma “locadora virtual”: você alugava os filmes pela internet e recebia o DVD em casa, via Correios. Daí, pra assistir outro, era só devolver o filme alugado que eles enviavam um novo filme. Era PERFEITO! Voltei pro Brasil e anos mais tarde ouvi falar em Netflix de novo, mas dessa vez se tratava de um serviço de streaming. Mesmo nome, proposta diferente. Dei uma chance e desde então, estou in love.

Costumo assistir do iPad mesmo mas de vez em quando acesso pelo notebook. Quando tô MUITO afim, plugo o iPad na televisão e vejo tudo grandão, muito bom! Graças à Netflix, pude rever as primeiras temporadas de Grey’s Anatomy e também comecei a assistir Arrested Development e Breaking Bad. Eu, que nunca fui uma pessoa “de séries”, agora faço parte do clubinho. Sem falar na penca de filmes que revi. E os que eu nunca tinha assistido porque sempre alguém preferia assistir outro… essas coisas.

Pois bem, essa semana estava em destaque uma nova série exclusiva para os assinantes do serviço: Orange Is The New Black. Da mesma produtora de Weeds, trata-se de um drama/comédia norte-americano, baseado em fatos reais. Narra a história de Piper Chapman, uma mulher na faixa dos 30 anos que se vê diante de uma grande mudança na vida: cumprir 15 meses de prisão. 

Orange Is The New Black

Passei o domingo assistindo à série. Nesse nível. A protagonista é interpretada por Taylor Schilling, uma atriz novata que está mandando super bem. Sem falar que o casting está recheado de rostos que você já viu por aí, como Laura Prepon (That ’70s Show), Jason Biggs (sim, ele mesmo… de American Pie), Natasha Lyonne (American Pie) e etc.

Você pensa: e tem história pra render 13 episódios? Ô se tem! Os flashbacks mostrando o que levou cada detenta à prisão são muito bem encaixados, e na medida certa. Você se apega às personagens e dá risada junto, chora… Tô adorando! Quer conhecer um pouco mais? Dá uma olhada no trailer:

Trailer Orange Is The New Black

E na abertura ainda toca Regina Spektor na abertura (canção feita exclusivamente para a série)! \o/ Depois me contem se vocês assistiram/curtiram.

Skyfall e sua abertura incrível

 

Passei boa parte do feriado assistindo aos filmes do espião mais famoso do mundo: Bond, James Bond.

Acabei fechando o domingo com o recém-lançado ‘Skyfall‘ e curti bastante. O filme tem picos de ação, cenas incríveis e tal. Mas o que eu mais gostei foi das cenas de abertura. Se você não é fã de Adele, ainda assim vai se arrepiar no mix canção + imagens. A voz da “nega” faz toda a diferença. Então, assista. Só clicar no player abaixo ou aqui:

 

Para conhecimento: quem dirigiu as cenas iniciais do filme foi Daniel Kleinman, que dirigiu todas as aberturas da série 007 desde Golden Eye até Quantum of Solace. De lá pra cá, acho que a que mais gostei foi essa do Skyfall: dark, tensa e lindíssima.

Vem aí: 3ª temporada de The Walking Dead

Se você já devorou todas as edições de The Walking Dead em HQ (quem já leu a edição 102?), leu de trás pra frente “A Ascensão do Goverenador” e reviu todos os episódios da série pra matar as saudades… deem só uma olhadinha nas fotos de divulgação da 3ª temporada, que estreia no dia 14 de outubro lá fora (no canal AMC) e no dia 16 de outubro no Brasil (na Fox):

 

Nessa 3ª temporada, personagens super importantes da HQ vão finalmente dar o ar de suas graças: Michonne, que já tinha aparecido no último episódio da 2ª temporada, e o temido “Governador”.

Ah, adivinha só quem vai voltar…

Pelas fotos divulgadas até o momento, essa 3ª temporada tá prometendo, viu? Vou me segurar pra não tecer comentários do tipo “na HQ é assim-assado” porque além de chato, é meio mala com quem tá acompanhando a história só na TV. Apesar de algumas personagens serem BEM diferentes do que são na HQ, estou curtindo muito a adaptação feita pra TV. Já estou na contagem regressiva! \o/

Via Garotas Nerds.

Star Wars na máquina de lavar

Como tem gente criativa nesse mundo. Fico imaginando o que leva uma pessoa a buscar a melodia de determinada música nos mais variados locais. Nesse caso, a clássica “Marcha Imperial”, música tema de Star Wars, foi obtida dos botões de uma máquina de lavar. Por favor, deem “play” no vídeo abaixo (ou então cliquem aqui):

Me lembrou a Towelie, tocando Funky Town na campanhia, nesse episódio de South Park.

Via CTRL +PELS.

Banco Imobiliário versão O Poderoso Chefão

Um dos meus jogos preferidos na infância era Banco Imobiliário. Me recordo como se fosse ontem das tardes que passei brincando com os vizinhos: sempre rolava câmbio negro, notinhas de 500 por baixo dos panos e ninguém entendia porque algumas cartas tinham um valor tão baixo. Nota: se você não morava em SP ou RJ, definitivamente ia boiar com Rua Augusta e Interlagos.

A gente cresceu, os anos se passaram e hoje em dia existem mil e uma versões do jogo. Tem até versão com máquina de cartão de crédito! Mas sem dúvida, a que ganhou o meu coração foi essa versão aqui:

O Poderoso Chefão. Isso mesmo.

Em comemoração aos 40 anos do lendário O Poderoso Chefão, a Hasbro lançou uma edição especial do jogo, inspirado na clássica trilogia de filmes. A USAopoly foi a responsável pela adaptação, deixando o jogo totalmente remodelado ao universo “Dom Corleone”. Vale a pena assistir ao vídeo clicando aqui ou no player abaixo. Além do unboxing, a USAopoly conta alguns detalhes do jogo.

É coisa DE LOUCO! O dinheirinho tem a logo do Godfather, as casinhas e hotéis vem nas cores preto e dourado – seguindo a linha do filme. Quero MUITO!

Tem pra vender na Amazon. Pensei em comprar, mas e o medo de ser taxada pela receita?

Via Omelete.

Ilustrações de Game of Thrones

Você já deve ter ouvido falar (muito) de Game of Thrones. Se não, vá ali se matar fique sabendo que é uma das novas sensações entre os apaixonados por épicos. Seja no formato série, produzida e exibida pela HBO, ou no formato livro, GOT tem consumido o tempo de muita gente por aí. Que história, minha gente, que história!

Pela rede mundial de computadores, encontramos os diversos tipos de manifestações dos fãs apaixonados pelos reinos e suas personagens. E uma das homenagens mais bonitas que eu vi são as ilustrações da polonesa Anja Dalisa. Me lembrou muito os retratos da Idade Moderna, da nobreza absolutista.

Família Stark, por Anja Dalisa.

Via Garotas Nerds.

e o coração bate mais forte

Eu queria poder explicar pra quem não age igual a mim a felicidade em saber que a sua banda preferida vem tocar na sua cidade. Tem gente que acha besta, que pensa que você é maluco ou que simplesmente não liga pra música. Eu costumo classificar essas pessoas no mesmo grupo de pessoas que não gostam de animais. Afinal, como alguém não consegue gostar de um cachorro, meu Deus? Talvez quem tenha medo e tals, compreensível.

Ou então, quem não gosta de batata-frita? Alguém? Alguém? Alguém não gosta? Não há. Por isso, não entendo quem  não consiga gostar de música, seja qual for o gênero preferido.

Hoje fui acometida por uma dessas felicidades bobas, num dia cheio de altos e baixos. A “possível vinda” do Broken Social Scene para o Rio de Janeiro (entre aspas porque não há a mínima chance de não rolar esse festival). A banda estará no Brasil para o Festival Planeta Terra, mega esgotado há alguns meses. Eu já sofria (de verdade) com a possibilidade de não assisti-los, assim, tão “perto” de casa.

Daí que o Lucio Ribeiro cantou a pedra. E um certo email na caixa de entrada falou disso aqui:

Se você não conhece o projeto Queremos, faça o favor de visitar o site dos caras e saber do que se trata. Uma iniciativa tão bacana que está há alguns meses promovendo os eventos mais legais do Rio de Janeiro. E nessa enxurrada de atrações vindo ao Brasil (haja cartão de crédito), é sempre uma satisfação quando uma dessas bandas faz você sorrir com a alma.

“park that car, drop that phone, sleep on the floor, dream about me.”

Encontro marcado em novembro. Pra gente ser um pouquinho mais feliz.

filmes, muitos filmes

Há algum tempo ando querendo escrever um post sobre os últimos filmes LEGAIS que eu vi. Isso porque nesse meio tempo fui ao cinema assistir “Velozes e Furiosos 6″ e tipos… não vou escrever sobre aqui no blog por uma simples questão de bom senso. Ao meu ver, acho que o o blog nem os meus queridos leitores merecem um post pra falar de um filme que achei legalzinho-ruim.

Os filmes de hoje não são novos pra muita gente mas pra mim eram. Isso porque eu devia ser o único ser humano na face da Terra que não tinha assistido “Across the Universe”. E há uma explicação muito plausível pra isso, que segue adiante, na “resenha” que farei dele.

O Garoto de Liverpool

Alguém tinha comentado no Twitter há algum tempo atrás e eu fiquei na vontade de assistir o quanto antes. Daí, num desses sábados preguiçosos, sentei na poltrona e mandei ver. “O Garoto de Liverpool“, tradução para “Nowhere Boy”, conta a história de John Lennon durante a sua adolescência: dos tempos da escola até o momento do grande encontro com a música, inspirado pela mãe Julia. Aaron Johnson além de bonitão, atua muito bem no filme, mostrando o lado humano do mito: solidão, abandono, reencontro, rebeldia e sensibilidade. Tudo isso sem dúvida construiu o poeta e símbolo de uma geração. Ahhh, John…

Across the Universe

Vamos lá. Eu não gosto de musicais. Acho chato, não curto o fato de que a personagem está cozinhando e subtamente começa a cantar e por aí vai. E foram ANOS ouvindo dos amigos que “Across the Universe” era o filme preferido de todos os tempos. Não deu ouvidos a ninguém e nunca parei pra assistir ao filme.

Até anteontem. Acho até que esse filme merecia um post só pra ele mas enfim…

Eis um musical onde as “interrupções” são faixas que você ama, de uma banda que você provavelmente também ama: os Beatles. Eis um filme onde muitas cenas parecem não fazer sentido e é preciso, sem dúvida, assistir mais uma vez para que você preste atenção nos detalhes, na beleza da fotografia, das atuações e da música, que conta sim uma história. Não é apenas uma música encaixada, com atores fazendo caras e bocas. É sentimento e ele se chama amor. Amor em forma de filme.

Estou apaixonada e dou toda a razão aos amigos que se derreteram por todos esses anos. Ainda mais depois de um show do Paul McCartney: o coração ainda lembra de cada música cantada naquele Engenhão.

Educação

(contém spoiler)

Depois de assistir “Não me abandone jamais” e ficar apaixonada por Carey Mulligan (com seu rostinho delicado e meigo), busquei outras obras com a boneca. Educação era um filme que eu quis ver quando passou nos cinemas mas o circuito era alternativo, poucas salas e tchum, perdi. Confesso que esperava mais do filme. A fotografia é linda, as músicas são maravilhosas, Carey está uma graça e manda super bem. Mas achei que iria além do “me apaixonei por um antiherói mas ele era casado”. Sabe quando um filme caminha pro óbvio, depois de tanta boniteza? Não curto. Mas recomendo, para um desses dias em que a gente só quer um filme bonito e bacana pra ver.

1 2 3 4