Browsing Tag

cotidiano

conversas

Sobre amizades de internet

imagem do topo: Wiertz Sébastien via Compfight cc

Há alguns dias venho matutando sobre esse assunto e confesso que esse post tinha uma vibe mais negativa e rancorosa, porém estou vindo de um fim de semana tão bom e gostoso, que me trouxe respostas interessantes para perguntas que eu me fazia há muito tempo.

Estou com 34 anos e há quase 20 anos vivo essa coisa de “estar na internet”. Lembro do exato dia em que acessei o IRC pela primeira vez, bem como um bate papo virtual, se não me engano foi o do UOL ou do falecido Zip.net. Em ambas as situações, estava na casa de uma amiga que tinha computador e internet em casa. Aos mais jovens: nem sempre foi essa coisa linda de apenas abrir o computador ou celular e TCHARAM, Facebook/Instagram/Snapchat, tudo funcionando lindamente. A gente rebolava pra conectar. A gente pagava caro pra dar close na web fora do pulso único. A gente sofria ~praquela~ merda funcionar. Pronto, encerro aqui o meu momento tiazona do pavê.

Da mesma forma, lembro do meu primeiro encontro com alguém da internet. Foi no shopping aqui do bairro, o nick do garoto era Farofa Carioca e eu achei legal o ~nome~ dele, mesmo sem saber que era a banda do Seu Jorge (não tinha Google pra gente buscar o significado das coisas). Ele veio com um amigo e foi chato, sem falar que ele não tinha nada a ver com a foto enviada. Aquela coisa, né? Quem nunca passou por isso? Foi tudo tão constrangedor… Por motivos óbvios, a gente nunca mais se falou e ponto final.

Pouco tempo depois, eu tinha o meu computador em casa, rolava aquela divisão básica com meu irmão. Muitas tentativas de estabelecer um horário de uso pra cada um, muitas brigas, muito esporro dos pais porque a conta telefônica estava vindo os olhos da cara, muito suor, muita lágrima derramada. Aos 17 anos arrumei um namoradinho no IRC, aos 18 conheci uma galera aqui do bairro pelos chats, sendo que boa parte deles é meu amigo até hoje. Meu irmão inclusive casou com uma paquera dele do canal Ilha, pra vocês terem noção das coisas. Aos 19 criei meu primeiro blog e por meio dele comecei a conhecer outras pessoas com blogs – a gente não tinha a alcunha de blogueiro porque isso era uma coisa que não existia. Você era alguém que tinha um blog. Não sei se consigo explicar a diferença. Ainda mantenho contato com algumas dessas pessoas e volta e meia surge uma conhecida daquela época, uma surpresa deliciosa quando a gente descobre os antigos nomes das pessoas (porque muita gente matou os blogs, matou os nicknames, essas coisas).

Ao longo de todos esses anos, conheci pessoas. Muitas pessoas. Analisando rapidamente o comportamento do usuário “lá de trás” e o de hoje, percebo que essa facilidade que temos para entrar em contato com um desconhecido é meio que a mesma. Bastava você mandar um “oi, quer teclar” pra pessoa e você começava uma conversa, estabelecia uma conexão. Trocava-se fotos, telefone, user no MSN, pronto… Nascia ali uma amizade, uma paquera, um lance. E aqui, aproveito para estender o debate pro seguinte fato: a (falsa/ingênua) sensação de que somos íntimos daquela pessoa que mal conhecemos.

Perdi as contas de quantas pessoas deixei entrar em minha vida e que um belo dia sumiram do mapa. E não falo só de casinhos ou flertes, falo de ~amizades~. Existem aquelas pessoas com as quais cruzamos na web e pela qual nutrimos uma certa admiração superficial, seja porque ela é bonita ou estilosa, divertida, tem um gosto musical parecido… A gente cria uma expectativa positiva, que pode ser correspondida ou não. Ao trocar meia dúzia de palavras, você vê que aquela pessoa é diferente. Com a mesma rapidez que a gente admira aquela pessoa, a gente acaba deletando na primeira ~decepção. Quem nunca, não é mesmo?

Esse tipo de descarte me faz pensar na fragilidade das relações nos dias de hoje. Sem querer ser aquela pessoa do “antigamente não era assim”, lembro que na escola rolavam umas fases com determinados amigos. Tinha época que eu era um grude com umas meninas, daí passavam uns meses e eu grudava em outras, o mesmo para minhas amigas. Mas bem ou mal, na escola a gente era obrigado a conviver por ser da mesma sala, da mesma série, por morar na mesma vizinhança. Na internet você simplesmente remove aquela pessoa da vida e foda-se. Confesso que me assusto com essa fugacidade, com a sensação de que enquanto somos um personagem, somos mais interessantes. Por mais que faça parte desse contexto praticamente desde os primórdios, ainda não sei como me relacionar com pessoas que conheço virtualmente. Acabo amando todo mundo e depois meio que quebro a cara quando a pessoa desaparece.

Mas, eu disse que esse post não ia ser rancoroso lá no começo. Apesar das decepções, graças a toda essa modernidade tecnológica pude conhecer gente incrível, que compartilha das mesmas angústias e anseios. Gente que, se não fosse aquela fotinho no Instagram, eu nunca teria conhecido. Ou aquele post num determinado blog, falando sobre um filme x. Gente que depois de algumas mensagens trocadas, cafés, chopps, se tornaram fundamentais na vida.

Ao contrário do que muita gente pensa, acho sim que é possível fazer amigos na internet. Esse espaço, que pra mim é muito real (contrariando aquele papo de vida real x vida virtual, pra mim é tudo a mesma coisa), é apenas mais um meio para conhecermos e sermos conhecidos. A gente cria uma imagem em qualquer lugar mas é praticamente impossível se manter escondido sob uma capa por muito tempo. Estamos mais acessíveis e vulneráveis nas redes? Sim e isso é bastante confuso pois parece que você é amigão de geral quando no fundo não é. Sem falar que fica no ar aquela sensação de que a web é um eterno ensino médio, onde os populares se dão bem e os introvertidos sem sal ficam no cantinho dos excluídos. Porém, acho que assim como “na vida real” (inserir muitas aspas aqui), fica na nossa vida quem a gente permite e quem a gente faz questão – não importa quantos seguidores a pessoa tenha.

Facebook // Instagram // Twitter // Pinterest // snapchat: hackelz

conversas

As melhores & piores coisas de 2015

Há praticamente 34 anos, todos os anos começam com aquela energia gostosa de mini-férias com expectativa do aniversário. Nascidos logo no comecinho do ano tem essa vantagem, não é mesmo? E como tudo na vida tem dois lados, lido com comemorações onde muitos amigos não vão por estarem viajando (às vezes eu mesma estou viajando). Festinha na escola? Nunca rolou, por motivos óbvios.

Meu 2015 começou no alto de uma colina, de frente para um mar lindo. De lá, vi os fogos de Copacabana sob um outro viés, inimaginável. Em seguida, um aniversário comemorado de um jeito muito especial, com cantoria, sob ameaça de chuva – que acabou não caindo, pra alegria dos fanfarrões. Foi uma noite épica, com gargalhadas, cerveja, suor e amizade.

Dizem que o ano só começa efetivamente depois do Carnaval, não é mesmo? Pra mim, começou de fato no finalzinho de janeiro. Assumi um compromisso comigo, com a saúde, enfrentei a lesão e passei a treinar de verdade com uma equipe. Nascia uma Raquel-corredora-de-rua, treinando regularmente, evoluindo lentamente. Nem tudo são flores e é claro que lidei muitas vezes com a frustração de correr devagar, a vontade de desistir faltou alto muitas vezes, mas sei lá, eu sou tinhosa e não abri mão disso.  Dizem que capricorniano é assim, determinado. Eu não sei, não ligo pra essa coisa de signo, mas vou me apropriar dessa informação pra dar mais bossa ao texto.

imagem daqui

Muita gente diz que 2015 foi um ano complicado, em todos os sentidos. No pessoal, na economia, na política. Eu diria que os últimos 3 anos tem sido bem calorosos nesses dois últimos pontos. Manifestações, eleições, polarização do debate. De um lado, ~coxinhas. Do outro lado, ~petralhas. Por favor, liguem o botão do sarcasmo aqui, hein? A coisa toda poderia ser mais fluida se não fosse a necessidade que as pessoas tem de vencer uma discussão. Sim, estamos de volta à quinta série com direito à lado A x lado B e suas respectivas torcidas. E nesse esvaziamento, quem tem vontade de levar a coisa adiante simplesmente desiste e se cala. Fingir demência acabou sendo a melhor opção.

Em 2015 nos mudamos pra um cantinho só nosso. Deu trabalho? Deu. Porém, poucas coisas nessa vida são tão gostosas quanto a sensação de abrir a porta e saber que aquele cantinho é seu. Cada pedacinho, cada cantinho da parede. Sensação gostosa de conquista, depois de tanto perrengue, tanto esforço. Pequenos grandes prazeres da vida.

imagem daqui

Nesse ano eu assisti muitas séries e li poucos livros. Todo ano me prometo ler mais porém acabo perdendo o feeling da leitura. Vocês também tem sentido uma dificuldade maior para se concentrar e embarcar na leitura? Alguns livros, por mais interessantes que fossem, pareciam não chegar ao fim nunca. E notem que isso não é bom, certo? Essa sensação de “chega logo ao fim, caralho”. Tipos que não é pra isso que os livros servem, né? Não sei se escolhi mal os títulos, ou se é algo nesse mundo conectado a qualquer momento que nos tira o foco e a atenção das coisas. Talvez seja uma mistura dos dois.

O Maionese recebeu mais atenção, o Gordelícias também. Andei fazendo vídeos e tudo mais, perdendo a vergonha, me descobrindo e me aceitando diante da câmera. Esse, aliás, é um ótimo exercício para a melhora da auto-estima. Sou muito envergonhada e me sinto sem jeito quando assisto aos vídeos ou me vejo em fotos. Aos poucos, vou trabalhando esse problema, em doses homeopáticas, diárias.

Fazendo aquele balanço geral, diria que esse foi um ano de muito aprendizado. Em relação às pessoas, em relação à comida, em relação ao mercado de trabalho. Fui mais tolerante com o outro, mais paciente e descobri uma capacidade em abstrair certas coisas que achava praticamente impossível. Essa mudança tem muito a ver com a prática esportiva, sabia? Incrível o que a corrida faz com a gente. Você fica tão exausto e focado naquilo que não tem tempo pra bobagens ou coisas que em pouco tempo não significarão grandes coisas.

imagem daqui

Costumo dizer que a culpa não é ~do ano mas da vida como um todo. A gente fala “esse foi um ano de bosta” ou “esse foi um ano incrível” baseados nos momentos marcantes e tudo mais. Certas coisas são inevitáveis, claro. Perder um amigo ou ente querido

Pra finalizar, deixo vocês com algumas listas (curiosas) que encontrei por aí:

E se há espaço para resoluções? Ler mais. Viajar mais. Absorver menos o que não posso mudar. O que não me pertence. Cuidar mais de mim do que ~dos outros (e isso não tem a ver com ser egoísta). Sabe aquela coisa “seja a mudança que você quer ver no mundo”? Frase clichêzona mas acho que é bem por aí. Quando a gente faz mais pelo todo, a energia meio que volta pra nossa vida, de um jeito positivo. Então ~vambora fazer essa máquina girar mais e mais?

Facebook Instagram Twitter Pinterest snapchat: hackelz

coisas que amei, conversas

Coisas que amei: reflexões sobre as redes sociais

imagem do topo: Rresende via Compfight cc

Desde segunda-feira, não param de circular textos e matérias sobre a decisão de uma blogueira/youtuber australiana que decidiu abandonar um lifestyle tão desejado por gente no mundo todo, em prol de uma vida mais real e livre. Esse é um debate antigo, principalmente pra quem vive do Marketing Digital, ou quem acompanha debates e estudos antropológicos. Mas é aquela, basta uma fagulha pra reacender todo o incêndio e cá estamos em meio a tantos textos e análises.

Visto que li tanta coisa interessante nas últimas 48h, vou abrir mão de escrever mais um ~textão~ pra compartilhar alguns desses links, que sugerem ótimos debates em torno do assunto. Só clicar aí embaixo!

◣ Por que você se deixou enganar pelo Instagram, por Fernanda Pineda

◣ Sobre redes sociais, vida real e felicidade, por Fe Neute

◣ Por que está todo mundo fugindo das redes sociais e do mundo online, por Marina Espíndola

◣ Estamos prestes a mudar a nossa relação com a internet e com as redes sociais, por Nuta Vasconcellos

◣ A não farsa das redes sociais, por Lu Ferreira

Facebook Instagram Twitter Pinterest snapchat: hackelz

conversas

Das pequenas coisas do dia a dia

(gato Marvin adora o aroma das flores)

Gosto de acordar cedo todos os dias, inclusive nos finais de semana. Inclusive quando vou dormir tarde. Aquele horário pela manhã em que os poucos vizinhos estão se arrumando ou mesmo saindo para o trabalho – isso por volta das 7h. Gosto da luz natural desse horário e do burburinho dos pássaros. E com o horário de verão que começa em poucos dias, as manhãs ficam ainda mais lindas, assim com os fins de tarde.

Levanto, remédio, jejum de meia hora. Tempo suficiente para uma leitura rápida ou para pequenas tarefas obrigatórias: limpar a caixinha de areia dos gatos, uma varrida bem básica, lavar o rosto – que acaba ajudando a acordar. Quando vejo, já se passaram mais de 30 minutos às vezes. Agora sim, estou pronta para um café bem forte (costume recém adquirido depois dos 30 anos).

Durante o café, acabo assistindo algum episódio das séries preferidas, largado pela metade. Acaba dando vontade de assistir um monte mas o dever nos chama, todos os dias úteis (às vezes também nos fins de semana). Quando vejo, lá se foi a manhã e para quem trabalha em home office, é preciso ser deveras organizado, principalmente com almoço. É preciso também ser desapegado em relação à louça que, inevitavelmente, acumulará em sua pia ou no secador de pratos. A louça, assim como as roupas, nunca terá fim.

Há pelo menos três anos esse costuma ser o meu dia à dia, ordinário, comum, sem muitas surpresas ou emoções. Não há muito para compartilhar nas redes sociais além de gatos, fragmentos de um apartamento que há alguns meses se tornou, de fato, o nosso lar (meu, do marido, dos filhotes). Pra quem busca um feed interessantíssimo no Snapchat, sinto desapontá-los mas não há muito o que mostrar. O dia à dia pode parecer tedioso ou sem graça. Curiosamente, hoje em dia sou muito mais feliz e em paz.

Facebook Instagram Twitter Pinterest snapchat: hackelz

design

A Poster Everyday: drops do cotidiano em forma de ilustração

Vocês podem achar meio fofoqueiro ou intrometido o que vou compartilhar agora, eu diria que é, na verdade, um exercício de admirar o cotidiano, nas entrelinhas do comum. Volta e meia escuto frases ou conversas em andamento, pescando algumas coisas curiosas e comuns. Perguntas, questionamentos, afirmações. Tomo nota e acho graça ler depois, às vezes até rende um post ou um conto – que nem sempre compartilho aqui.

Furqan Jawed é um estudante de design que, pelo visto, também gosta de tomar nota do que ouve por aí. Só que ele vai um pouco além: das frases, elabora ilustrações, transformando em cartazes. Assim nasceu o projeto “A Poster Everyday”. É como se cada cartaz reproduzisse recortes do cotidiano, de pessoas ao redor.

A Poster Everyday. Mais em http://sempickles.com/maionese.

A Poster Everyday. Mais em http://sempickles.com/maionese.

A Poster Everyday. Mais em http://sempickles.com/maionese.

A Poster Everyday. Mais em http://sempickles.com/maionese.

A Poster Everyday. Mais em http://sempickles.com/maionese.

A Poster Everyday. Mais em http://sempickles.com/maionese.

A Poster Everyday. Mais em http://sempickles.com/maionese.

O artista tem compartilhado mais pôsteres aqui. Achei o projeto tão criativo e interessante, sem falar o bom gosto que ele tem em cada peça. Fiquei apaixonada por vários, vontade de imprimir tudo e colar na parede aqui de casa.

Via Trendland.

Facebook Instagram Twitter Pinterest snapchat: hackelz

variedades

TAG: 5 coisas que me deixam mais feliz

A maravilhosa Ba Moretti, figura tão querida na blogosfera brazuca, compartilhou essa tag outro dia e achei que tinha tudo a ver comigo e com o blog. Na onda de fazer posts mais pessoais, que contem mais sobre quem a gente é, pensei que seria uma boa ideia falar sobre coisas que me deixam mais feliz. É simples, é direto e é uma forma de sermos mais gratos com o universo ao nosso redor.

Quem eu indico pra responder essa tag? Quem estiver com vontadinha de falar mais sobre si! #sejoga

1. ouvir uma música que amo em lugares inusitados

Já aconteceu de estar fazendo compras, na seção de legumes, e de repente toca alguma música que amo muito. Não sei vocês mas eu começo a cantar, mesmo que seja baixinho. Aliás, já perceberam como os supermercados estão investindo em rádios e playlists? Certeza que há um estudo por trás disso, nada é por acaso!

2. banho gelado depois de suar horrores correndo

Eu diria que essa é uma das melhores sensações do mundo. Você tá morto, suado, acabando, sem dignidade. O cabelo chega a estar pingando, transpiração excessiva. Melhor coisa? Tomar água, sim… porém o banho é uma benção. Nessas horas sempre agradeço por ainda termos água e também canonizo mentalmente a pessoa que “lá atrás” se ligou que água doce limpa tudo.

banho-gif

3. notar que o garçom está trazendo comida e sim, é pra sua mesa

Geralmente, cometo o erro de sair pra comer alguma coisa já morrendo de fome. PIOR SENSAÇÃO DO MUNDO. Você já tá devorando os cantos dos dedos, senta em uma cadeira confortável, aquele cheiro da cozinha invade suas narinas e nada pior do que ver o povo ao redor recebendo os pedidos e você não. Mas há algo de mágico nesse universo: perceber que o garçom, que geralmente traz bandejas que nunca são pra você, dessa vez, traz a sua comidinha. Quentinha, de forma rápida e incrível. Deus é bom, viu?

E aqui, vou inserir mais uma felicidade, porque comida faz isso com a gente:

PLUS: pedir uma comida e ela ser incrível de boa

Um dos filmes que mais amo é Ratatouille. Sempre choro, sempre me identifico, enfim, judge me. E uma das cenas mais lindas é quando o crítico vai provar o ratatouille feito pelo ratinho e o sabor o remete imediatamente à infância, com recordações da mãe. A cena é tão linda que só de descrevê-la meus olhos se enchem de lágrimas. A comida tem esse poder de provocar sensações de satisfação, nostalgia e alegria extrema.

4. ganhar presente de alguém querido e ser exatamente aquilo que você estava querendo

Adoro quando as pessoas se preocupam em dar algo que você tava querendo. Ou não necessariamente ~querendo~ mas algo que tenha a ver contigo. Fico que nem aquele garoto que ganha um Nintendo 64, sabem?

5. fazer algo inusitado no meio do dia, contrariando rotinas

Tem dias em que acordo super cedo, dou um gás nas tarefas de trabalho daí no meio da tarde já finalizei o expediente. Me largo no sofá e leio um livro. Certos prazeres são impagáveis e deliciosos. Antigamente me sentia “culpada” porque né, todo mundo tá trabalhando no escritório e eu lendo. Mas é tudo uma questão de ponto de vista. Tá feito? Tá entregue? Então estamos de boa.

acompanhe o maionese por aí:

curta o blog no Facebook siga no Instagram acompanhe os tweets snapchat: hackelz

Maionese no BEDA