Browsing Tag

cotidiano

variedades

TAG: 5 coisas que me deixam mais feliz

A maravilhosa Ba Moretti, figura tão querida na blogosfera brazuca, compartilhou essa tag outro dia e achei que tinha tudo a ver comigo e com o blog. Na onda de fazer posts mais pessoais, que contem mais sobre quem a gente é, pensei que seria uma boa ideia falar sobre coisas que me deixam mais feliz. É simples, é direto e é uma forma de sermos mais gratos com o universo ao nosso redor.

Quem eu indico pra responder essa tag? Quem estiver com vontadinha de falar mais sobre si! #sejoga

1. ouvir uma música que amo em lugares inusitados

Já aconteceu de estar fazendo compras, na seção de legumes, e de repente toca alguma música que amo muito. Não sei vocês mas eu começo a cantar, mesmo que seja baixinho. Aliás, já perceberam como os supermercados estão investindo em rádios e playlists? Certeza que há um estudo por trás disso, nada é por acaso!

2. banho gelado depois de suar horrores correndo

Eu diria que essa é uma das melhores sensações do mundo. Você tá morto, suado, acabando, sem dignidade. O cabelo chega a estar pingando, transpiração excessiva. Melhor coisa? Tomar água, sim… porém o banho é uma benção. Nessas horas sempre agradeço por ainda termos água e também canonizo mentalmente a pessoa que “lá atrás” se ligou que água doce limpa tudo.

banho-gif

3. notar que o garçom está trazendo comida e sim, é pra sua mesa

Geralmente, cometo o erro de sair pra comer alguma coisa já morrendo de fome. PIOR SENSAÇÃO DO MUNDO. Você já tá devorando os cantos dos dedos, senta em uma cadeira confortável, aquele cheiro da cozinha invade suas narinas e nada pior do que ver o povo ao redor recebendo os pedidos e você não. Mas há algo de mágico nesse universo: perceber que o garçom, que geralmente traz bandejas que nunca são pra você, dessa vez, traz a sua comidinha. Quentinha, de forma rápida e incrível. Deus é bom, viu?

E aqui, vou inserir mais uma felicidade, porque comida faz isso com a gente:

PLUS: pedir uma comida e ela ser incrível de boa

Um dos filmes que mais amo é Ratatouille. Sempre choro, sempre me identifico, enfim, judge me. E uma das cenas mais lindas é quando o crítico vai provar o ratatouille feito pelo ratinho e o sabor o remete imediatamente à infância, com recordações da mãe. A cena é tão linda que só de descrevê-la meus olhos se enchem de lágrimas. A comida tem esse poder de provocar sensações de satisfação, nostalgia e alegria extrema.

4. ganhar presente de alguém querido e ser exatamente aquilo que você estava querendo

Adoro quando as pessoas se preocupam em dar algo que você tava querendo. Ou não necessariamente ~querendo~ mas algo que tenha a ver contigo. Fico que nem aquele garoto que ganha um Nintendo 64, sabem?

5. fazer algo inusitado no meio do dia, contrariando rotinas

Tem dias em que acordo super cedo, dou um gás nas tarefas de trabalho daí no meio da tarde já finalizei o expediente. Me largo no sofá e leio um livro. Certos prazeres são impagáveis e deliciosos. Antigamente me sentia “culpada” porque né, todo mundo tá trabalhando no escritório e eu lendo. Mas é tudo uma questão de ponto de vista. Tá feito? Tá entregue? Então estamos de boa.

acompanhe o maionese por aí:

curta o blog no Facebook siga no Instagram acompanhe os tweets snapchat: hackelz

Maionese no BEDA

conversas

As 10 coisas mais legais do meu mundo

Vi esse post lá no blog lindo da Isadora (que tá de visual novo, adooooro quando meus blogs favoritos mudam de look) e resolvi compartilhar. A Jujubas também entrou na dança e eu parei tudo por aqui pra responder. Foi tipo um respiro nessa fase louca de mudança que tô vivendo nas duas últimas semanas. Aliás, vou escrever assim que a poeira baixar sobre o assunto. Essa é a minha primeira mudança de verdade e MELDELS como dá trabalho.

Gosto quando encontro posts mais pessoais nos blogs porque é uma forma de conhecermos um cadinho que seja da pessoa que ali escreve. Espero que vocês curtam as 10 coisas mais legais do meu mundico.

01. decoração

Minha maior fonte de inspiração para decorar a casa atualmente vem do Pinterest. Pouco antes de me mudar pro novo apê, criei boards mais segmentados: cozinha, banheiro, home office… Quando a gente se muda, temos nas mãos uma oportunidade de começar um cômodo do zero e embora ainda esteja na fase das caixas, já estou colocando algumas ideias em prática. E referências são sempre bem-vindas!

Meu perfil, pra quem quiser me seguir, é esse aqui.

02. livro

Pensei em sugerir um livro mas vou aproveitar pra sugerir um autor: Haruki Murakami. Conheci seu trabalho lendo o tão recomendado “Minha Querida Sputnik”. Quando terminei a leitura (tem resenha aqui) dei uma pesquisada boa sobre ele e soube que além de escritor e tradutor ele também é corredor. Tô terminando de ler “Do Que Eu Falo Quando Falo de Corrida” e já com mais 4 títulos dele pra ler quando houver uma brecha.

03. viagem

Não sou uma pessoa meeeega viajada (por falta de grana mesmo) mas já tive a oportunidade de conhecer lugares bem incríveis. Ano passado, fui abençoada por uma força oculta e estive no Peru duas vezes, acredito que foi pra que eu pudesse me redimir por ter passado 32 anos sem visitar o país onde meu papai nasceu. Pela beleza dessa terra e pelo significado que cada passeio teve pra mim, sem dúvida essa foi a minha viagem favorita de toda essa vida.

04. música

Se é pra indicar uma música da vida, não tenho dúvidas que é Tonight, Tonight.

05. sapato

Você vai me ver 90% do tempo de tênis. Sejam os tênis de academia/corrida, ou mesmo no dia à dia, tenho prezado muito por conforto nos pés, principalmente depois da lesão. Sem falar que são super charmosos, né? Fazem a diferença num “look”. Amo muito, muito mesmo!

06. maquiagem

via

Posso estar de cara lavada mas não dispenso um batom. Clarinho, rosa, vermelhão. Líquido, matte, cremoso… confesso que por aqui a coleção é grande, muito batom pra pouca boca. Mas não dispenso uma novidade, tô sempre de olho nas lindezas que saem por aqui. Meus favoritos são os escuros foscos atualmente.

07. ídolo

Minha mãe. Que meu pai não leia esse post e fique com ciúmes e tal. Mas a “baixinha” é sinistra demais. Coração gigante, capaz de perdoar e amar na mesma intensidade. Queria ser 1/10 do que ela é nessa vida.

08. doce

Não sou muito formiga mas não dispenso uma sobremesa depois de uma refeição delícia. E o meu doce preferido é ele, o pudim de leite condensado. Gosto de pudim com furinho, gostinho de leite, sabe? E bastante calda pra deixar beeeem molhadinho. Ah, essa foto é do pudim que postei lá no Gordelícias.

09. foto

Pensei em escolher uma foto minha como preferida. Mas seria injusto com tantas fotos maravilhosas que existem por aí (e que também são minhas fotos favoritas). Como essa do beijo, fotografada por Alfred Eisenstaedt. Ela foi marcante pois simbolizou o momento de retorno das Forças Armadas norte-americanas após a Segunda Guerra Mundial (quando o Japão se rendeu e tal). Acho essa foto tão incrível pela delicadeza do olhar em capturar esse momento. E que beijo cinematográfico, né?

10. blog

Tenho muitos blogs favoritos porém vou indicar os que mais tenho lido nos últimos dias: os filhotes das amigas do #blogsladob – se você ainda não sabe o que é esse projeto, é só clicar aqui. São eles: Amanhã, eu te conto | Cozinho, Logo Existo | Girls With Style: GWS | Just Found | Não Me Mande Flores | Tem No Meu Quintal.

acompanhe o Maionese por aí:

curta a nossa página no Facebook siga no Instagram acompanhe os tweets

conversas, inspiração

Motivational Monday: inspiração para dias mais leves

Segunda-feira é sempre aquela história: metade da internet lamenta que o fim de semana acabou x metade da internet que lança mão de frases motivacionais para tornar os dias mais leves. Quem nunca esteve nesse primeiro grupo de pessoas, não é mesmo? Lamentando já no domingo que no dia seguinte é dia de labuta? Dureza, amigos!

Hoje em dia sou do time que tá de bem com a vida, não importa o dia da semana. Mas nem sempre foi assim. Uma das coisas que tenho tentado trabalhar atualmente é aquela famosa visão “big picture”. A Jout Jout falou tão bem desse pensamento nesse vídeo e o que não faltam são projetos motivacionais para mostrar que nem sempre as coisas estão lindas e maravilhosas porém dá pra tentar enxergar um tico que seja de coisa boa.

Um desses projetos bacanas é o Motivational Monday. O site reúne mensagens tipográficas que variam entre “espante a preguiça da segunda” à “mantenha o foco e a positividade, o resto vem com o tempo”. Eu gosto muito desse tipo de mensagem, já perdi as contas de quantas vezes estava sem ânimo pra uma determinada coisa e depois de ler uma mensagem do tipo falei “podes crer” e calcei o tênis, fui correr. Às vezes tudo que a gente precisa é de um empurrãozinho, certo?

tumblr_mwsmqsss0H1re0a9ho1_1280

tumblr_myzeb37QWk1re0a9ho1_1280

tumblr_n15ebmGhhq1re0a9ho1_1280

tumblr_nkkarwlEYh1re0a9ho1_1280

Veja mais clicando aqui.

acompanhe o Maionese por aí:

 curta a nossa página no Facebook  siga no Instagram  acompanhe os tweets 

Parque do Amor | Maionese
amor

O que é o amor?

~ Na foto: El parque del amor, Lima/Peru ~

Fecho os olhos e penso por alguns minutos em todo o amor que já recebi nessa vida. Talvez, dessa forma, consiga colocar em palavras nesse post “o que é o amor”. Família, amigos, namoradinhos… cada um já amou/foi amado de uma determinada forma. E todas essas experiências construíram uma “ideia” do que é amor. Acho que é assim que funciona, certo?

Como bem definiu a Tany, em um texto maravilhoso de lindo, o amor é agridoce. E eu concordo, diante de todo o meu aprendizado. É mesmo um sentimento doce e amargo. É bonito, é grandioso, é de uma força inexplicável, mas nem sempre é essa belezura toda. Nada na vida é só felicidade, certo? Diga se não é verdade: é por amor que queremos ser cada vez melhores. É por causa do amor que conquistamos tanta coisa na vida. Sem amor eu nada seria. E não seria mesmo. Não teria feito/desfeito tantos planos. Seria alguém escondido em uma caverna, rezando pra nunca ser encontrado.

Hoje vivo um dos momentos mais importantes desses 33 anos. E tem muito amor nesse momento. Dos meus pais, meus maiores incentivadores nessa vida. Em tudo, tudo mesmo. Tanto na coisas que deram certo quanto nas que saíram meio tortas, mas que sempre nos deixam lições importantes. Amor da avó, amor do irmão. Amor dos bichanos e do companheiro que escolhi pra dividir mais do que a playlist de canções favoritas. Cada um desses amores merece um texto só pra eles.

um novo lar

Amar é torcer pelo outro, embarcar no sonho como se não houvesse amanhã. Mas é também puxar pro Planeta Terra, mantendo os pés no chão. É sim e não. É ying e yang. É querer estar sempre junto, sentir saudade, deixar partir quando se chega a hora. Amar é cuidar, mesmo sabendo que certas dores são somente daquela pessoa – e que nem sempre dá pra gente fazer mais do que um cafuné e uma fornada de biscoitos amanteigados.

O amor é isso tudo e mais um pouco. É respeito, compreensão. A energia que nos motiva mesmo quando nada parece fazer muito sentido.

Amor é o que faz essa vida valer a pena.

Este post faz parte do rotaroots, grupo de blogueiros de raiz que organiza blogagens coletivas e tenta manter a blogsfera viva. Se você se identifica com o projeto, vem com a gente clicando aqui.

acompanhe o Maionese por aí:

 curta a nossa página no Facebook  siga no Instagram  acompanhe os tweets 

IMG_9839
conversas

Tchau, 2014! Vem com tudo, 2015!

Não queria encerrar o ano no blog com um post tão pesado. Mesmo achando que 2014 foi um ano estranho, foi também um ano muito bom pra mim, em termos de aprendizado. Começou meio confuso, com algumas perdas mas algumas coisas só vão se revelando algum tempo depois. Quando você olha com mais calma e coração aberto a sua volta e percebe que tem gente muito legal junto contigo, torcendo de verdade por você. É fácil ser amigo no oba-oba. Difícil é estar junto quando o calo aperta. Coração tranquilo em saber que tenho bons amigos na minha vida! <3

O ano pra mim começa com festa dupla. Porque tem o meu aniversário logo coladinho com a virada, né? E esse ano, tive uma pool party divertida até o talo. Que alegria, viu? É pra começar bem! E teve Carnaval descansado, mesmo com as horas de engarrafamento pra chegar no destino. Teve Lollapalloza no inferno. Mas teve Arcade Fire antes e eu fiquei muito realizada de ter visto esse show pela primeira vez. Teve muito show, aliás.

Esse foi o ano em que resolvi levar o Maionese mais a sério. Fiz parcerias muito queridas com assessorias e marcas que sempre fui fã. Obrigada! <3 Além disso, por conta do Rotaroots, conheci blogs muito interessantes e gente ainda mais interessante por trás de cada blog. Foi, sem dúvida, uma das melhores coisas que aconteceu na blogosfera brazuca em 2014.

Esse foi o ano em que viajei pro Peru pela primeira vez. Duas vezes. Conheci minha família de lá e foi muito bom. Também foi o ano em que superei o medo e a dor e passei a correr, mesmo com a minha lesão no nervo. Junto com meu pai e irmão, que tem me incentivado muito a treinar mais e mais. Parafraseando Obama, YES WE CAN!

Foi também em 2014 que adotamos o Marvin, irmãozinho do John. Posso dar uma dica se você só tem um bichinho? Pega mais um. É impressionante como as coisas mudam quando a gente tem um parzinho pra cuidar. Eles ficam juntos o dia todo, tenho certeza que John não se sente mais tão só. Sem falar que a casa ganha outro ar, nossa vida se enche ainda mais de amor.

Em 2014 eu e Pedro fizemos 2 anos de “casados” e passou muito rápido. Entre uma briguinha e outra, seguimos unidos e companheiros. Com muito amor, acima de tudo! <3

Queria ter lido mais em 2014. Obrigada, Rocco, por ter apostado em mim e me presenteado com tantos livros lindos. Record idem. A cada marca que me convidou para eventos ou enviou mimos, thank you! Prometo que ano que vem fico menos viciada em séries e dedico mais tempo aos livros. Quem sabe termino os desafios literários que até agora não fechei.

Disse mais cedo pra uma amiga que ano bom é aquele em que a gente aprende coisas novas. Seja um novo hobby, uma habilidade ou alguma coisa sobre si mesmo. Nesse ano mais introspectivo, posso dizer que aprendi mais sobre mim. Mesmo que algumas perdas aparentem ser algo negativo, dá sempre pra tirar algo de bom dessas situações. No fundo, a gente ganha. E isso é bom!

Que em 2015 a gente possa levar adiante o que talvez não tenha dado tempo em 2014. Que a gente registre mais em fotografias momentos gostosos, sem vergonha de ser over, sem receio com muito pau de selfie. E que a gente busque a realização dos nossos sonhos com muita serenidade e paz. Sem afobação já que temos uma vida toda pela frente.

conversas

5 pratos pra quebrar em 2014

“Ai graças a Deus terminou 2014”. Certamente você não vai me ouvir falar esse tipo de coisa. Não sou dessas pessoas que acredita que tudo se vai às 23h59 do dia 31/12. Tipo um grande reset na vida, pronto, agora tá tudo zerado pra você ter uma vida linda e cheia de amor, paz, sabedoria (aquelas palavras que a gente sempre escreve nos cartões de fim de ano). PORÉM, é claro que dá pra fazer um balanço do que aconteceu na nossa vida nos últimos 12 meses.

Sem querer bancar a tiazona mas posso dizer que 2014 passou muito rápido. Teve muita coisa acontecendo esse ano, não só comigo mas com todo mundo. Teve Copa, teve eleição, teve muita polêmica nas redes sociais, teve muito desgaste emocional. Impressionante como esse último comentário é unânime. Não conheço ninguém que não tenha respirado fundo diante de um comentário esquisito no Facebook. E independente de quem estava certo ou errado, rola aquela decepção, por menor que seja. Quantas vezes queimei a mufa tentando compreender o que o amiguinho tava querendo dizer? Cansativo, essa é a palavra.

Depois de listar mentalmente algumas coisas que gostaria de deixar pra trás junto com o calendário de 2014, vi que acabei fazendo um post mais amargo do que os de costume. E eu achei isso bom, no fundo. Porque acredito que você já esteja cansado de tanta coisa plástica por aí. Tudo muito bonito, florido, cheiroso, tipo um Pinterest. Mas e a parte chata? A parte que ninguém gosta de falar muito pra não perder ~amizades~? A parte do “ihhh lá vem fulano chato com textão”. Então fiz um textão. Fiz sim. E fiz um post bem autoral, com muita coisa do que eu realmente penso. Tão bom termos um cantinho pra despejar nossas lamúrias de vez em quando. Do nosso jeito.

5 pratos pra quebrar em 2014

Me sentir culpada pela babaquice alheia

Se teve uma coisa que comprovei esse ano foi: tem gente que simplesmente é babaca. Ponto. Não é timidez, não é falta/excesso de coragem, não é ~jeitinho~. É BABAQUICE mesmo. Daí que ao invés de simplesmente aceitar isso, sem dor, sem ressentimento, ficava me perguntando o que fiz de errado. O que eu falei pra tal pessoa simplesmente ter sumido, nunca ter procurado pra falar umas boas verdades. Será que eu sou muito dura e as pessoas fogem? Será que eu não dei abertura? Eu, eu, eu… Quando MIGA, a pergunta tá sendo feita pra pessoa errada. Por que A PESSOA não procurou? Porque A PESSOA não falou? Por que A PESSOA agiu assim? Muitas vezes a resposta é simples. Porque ELA quis. Chupe essa manga. É isso.

 Ignorar a nutricionista e os exercícios

No finalzinho de 2013 fui numa nutri pra tomar tenência na vida. Queria voltar a praticar esportes, correr, malhar, perder os 6kg que seguem me acompanhando pra sempre. Olha que desafio, nutri no fim de ano? HAHAHAHHA OKAY! Desafio aceito, no começo segui direitinho. Mas obviamente larguei. Ter um blog de gastronomia dificulta muito você não sucumbir a uma torta cheesecake no meio da semana. Meio que não vesti tanto a camisa da vida saudável com exercícios regulares e alimentação de boas e o resultado foi um ano com muitas rinites e falta de disposição. Quero corrigir isso porque, escreve aí: ano que vem farei meus primeiros 10k correndo.

Perder tempo com coisa que não vale a pena

Toda vez que começo a me estressar com uma determinada situação, faço o seguinte exercício: pergunto a mim mesma o que aquele problema vai mudar na minha vida. Vai mudar algo legal? Ok, invisto mais tempo. Não vai mudar porra nenhuma? Tchau. Insisti muito nesse olhar mais direto sobre as coisas e confesso que não foi fácil já que sou dessas pessoas que sooooofre, que dialoga com si mesma tantas e tantas vezes. Porém, consegui avançar bastante nesse sentido. Foram inúmeras as vezes em que puxei um determinado assunto e logo voltei atrás pra, simplesmente, não bater boca em vão.

A mesma coisa valeu para pessoas. Mas discorrerei sobre isso aqui no outro tópico.

 Preguiça das pessoas

Nunca tive tanta preguiça de gente como nesse ano. Acho que por ter passado tanto tempo trabalhando em casa, focando nas corridas, nos gatos, na minha família, meio que peguei bode de um monte de gente. O principal, ao meu ver, foi notar que muitas vezes você mega se dedica a um determinado relacionamento, aquela ~amizade~ linda no Facebook, que um belo dia vira uma coisa estranha. Além de ter concluído que há pessoas babacas no mundo e ponto final, também constatei que as redes sociais nos passam uma falsa impressão de que tudo ali é verdadeiramente real. No fundo, é tudo uma grande preguiça. De ser profundo, de se relacionar de verdade, de se entregar. Mais fácil dar like e chamar de “miga”.

 Ansiedade

Eu tenho pressa das coisas. De correr mais rápido logo, de fazer meu pé melhorar, de empurrar toda a minha equipe junto, de realizar um determinado evento. Pressa de aproveitar o domingo, de contar demais os dias para determinada coisa. Piso tanto no acelerador que esqueço de olhar pro hoje, pro que tá ali bem pertinho e que merece cuidado e carinho. Não se afobe não, que nada é pra já, menina.

☺ Tava com saudade dos meus posts mais pessoais. ☺

Este post faz parte do rotaroots, grupo de blogueiros de raiz que organiza blogagens coletivas e tenta manter a blogosfera viva. Se você se identifica com o projeto, vem com a gente clicando aqui.