Browsing Tag

diarinho

conversas

e se

E se o oceano incendiar
E se cair neve no sertão
E se o urubu cocorocar
E se o Botafogo for campeão (da série B – kas kas kas não resisti)
E se o meu dinheiro não faltar
E se o delegado for gentil
E se tiver bife no jantar
E se o carnaval cair em abril
E se o telefone funcionar
E se o pantanal virar pirão
E se o Pão-de-Açúcar desmanchar
E se tiver sopa pro peão
E se o oceano incendiar
E se o Arapiraca for campeão
E se à meia-noite o sol raiar
E se o meu país for um jardim
E se eu convidá-la para dançar
E se ela ficar assim, assim
E se eu lhe entregar meu coração
E meu coração for um quindim
E se o meu amor gostar então

De mim

.Chico Buarque, E Se.

Escolhas. A vida é cheia delas. É feita de. Momentos em que o medo e a insegurança são inevitáveis pois o desconhecido amedronta mesmo. Pode ser que o barco vire, também pode ser que não, já dizia Lulu Santos. Seria tão mais fácil se a vida tivesse aquela opção HINT do jogos de computador. Mas seria essa a melhor opção?

Sem saber algumas vezes fazemos escolhas decisivas. Toma-se o caminho sem volta e o jeito é se adaptar ao novo, seja ele bom ou ruim. Tudo depende do seu momento. O que pode ser primordial e relevante hoje, daqui a dois anos, não é.

caco

Crescer é isso: se arriscar, colocar a cara à tapa e correr atrás da felicidade.

(originalmente postado em 27 de setembro de 2006)

amor, conversas

re-post: "se eu fosse seu namorado, compraria o cd e deixaria na sua bolsa…"

Dizem que a graça da vida está nas pequenas coisas.

Nas pequenas coisas estão os detalhes, os mínimos, que fazem toda a diferença.

Que tornam aquela pessoa a_pessoa, o restaurante o_restaurante e por aí vai…

Pode ser uma colônia; o jeitinho de amarrar o cadarço do tênis; o próprio tênis; o penteado ou a ausência de; o “alô”, as piadas sem-graça… Mas algo em especial chama a atenção de todos nós: o dom de surpreender a cada dia.

Rotina todo mundo tem: acordar cedo, tomar café correndo, pegar ônibus cheio, van com música brega, engarrafamento, fome, comer besteira, cansaço, sono, cigarro depois do almoço, ligar pra mãe, passar na loja pra experimentar um vestido (pro casamento da melhor amiga). Em meio a tudo isso, ainda sobra tempo pra surpreender e/ou ser surpreendida.

Ligação no celular pra dizer “te amo”. Convite prum cinema depois do trabalho. Bilhete perdido numa bolsa. Uma cd de presente, de uma banda nova, do Nepal. Qualquer coisa singela, qualquer tentativa de fazer daquele momento algo mágico e inesquecível, por mais que ele seja uma viagem de volta pra casa ou um simples almoço num boteco qualquer.

i hate you

O horóscopo diz que capricornianos são melancólicos por natureza. Eu, como boa capricorniana que sou, não fujo à regra, somando a isso os dias cinzas e chuvosos que insistem em nascer nessa cidade.

PS: post originalmente publicado em 04/10/04.

conversas, nostalgia

re-post: o(s) primeiro(s) porre(s)

Aos 11 anos de idade eu decidi fazer algo de útil pela vida. Além de parar de ouvir dance europeu, adquirindo gosto por novos estilos musicais, como ROCK, passei a ter aulas de vôlei. Era tanta dedicação… Mesmo com a carga horária normal da escola + curso de inglês, que sempre fez parte da minha vida desde os 7 anos, me dedicava aos treinos, todas as segundas e quartas.

Fiz progressos e aos 13 fiz parte da equipe de vôlei da escola. Era tão divertido! Conheci várias pessoas, lugares bizarros (alguém conhece Coelho Neto?) e toda aquela atmosfera de campeonatos me fazia querer ser cada vez melhor no esporte. Se não fosse uma coisa chamada timidez. Eu tinha vergonha de entrar em quadra. Sabe aquela coisa de amarelar? Eu ficava tão nervosa quando começava a jogar que errava tudo! E cada vez que meu treinador berrava pra eu me mexer, me jogar no chão e correr atrás da bola, piorava a coisa.

Enfim, numa dessas confraternizações do povo, rolou um churrasco. Eu tinha uns 15 anos e fui lá com a galera me divertir um pouco. Eu era tipo uma das mais novas, geral já enchia o caneco e eu toda lerda, coisa de menina novinha da minha época (falou a balzaca). Resolvi parecer adulta e fui acompanhando as pessoas na cerveja, uma, duas, três latinhas de Skol. Resultado: comecei a ficar meio tonta e quando me dei conta, justamente na hora que a gente levanta pra fazer um xixi básico, vi que estava meio mal, cambaleando. Parabéns, Raquel, você está bêbada.

Pior de tudo é que o churrasco tava rolando de tarde e eu teria que ir pra casa encontrar toda a minha família naquele estado. Não podia contar com ninguém a não ser comigo mesma. Dar um jeito de ir pra casa, fosse de ônibus, carro, jegue, o que fosse. Mas não, não rolou nada a não ser meia dúzia de bêbados que caminharíam na mesma direção da minha casa. Conclusão: tive que andar mais ou menos uma meia hora sentindo o corpo mole e a cabeça girando.

Pra completar o pesadelo, chego em casa e a única coisa que eu quero é dormir! Nisso vem meu pai, a versão humana do Dino da Silva Sauro, e me pergunta se estou passando bem, porque veja bem, eram mais ou menos 6 da tarde e eu vinha da rua, de um inocente churrasco e queria dormir. Eu meio que enrolo o velho e digo que estou cansada mas o Sr. Pablo saca na hora o que se passa e me acusa de estar em outra dimensão, causada pelo suco de cevada. Lembro que banquei a desentendida e simulei toda uma indignação, tamanha a afronta do meu pai em insinuar que não estava sóbria. Sabe como é, a melhor arma nesses momentos é bancar o ofendido. Enrolei ele, tomei um Sonrisal e acabei dormindo.

Desse dia em diante, jurei que nunca mais tomaria cerveja. Antartica estava banida da minha vida, cerveja desgraçada, me deixou com dor de cabeça pelo menos uns dois dias! Passei anos sem beber mais nada que não fosse refrigerante, suco ou água! Tornei-me uma exceção no grupinho da escola! Um exemplo de vida! Um alien entre os humanos!

Anos se passam e eu largo o vôlei. Porém, no vazio deixado pelo esporte, cria-se um monstro viciado em internet. Culpa da minha amiga Tatyana, que num desses encontros pra fazer trabalho em grupo (nunca sai nada, já viram?), me apresentou uma coisa chamada mIRC. Voltei pra casa querendo um computador COM mIRC. Meses depois, Sr. Dino nos presenteia com o dito cujo e mal sabia ele que alimentava a cobra que existe hoje (ainda lembro daquele barulho da linha telefônica conectando…). Virei nerd e conheci outros nerds, que me trouxeram de volta à vida etílica, vida esta que nunca mais me abandonou.

E foram tantos porres! O oficial, na famosa Praia da Bica, na Ilha do Governador. Sim, porque insulano de verdade já ficou bêbado lá. E pra você, que não sabe de que lugar estou falando, tentem imaginar uma ilha cercada de água podre por todos os lados. Praias impróprias para banho de mar MAS NÃO PARA SE EMBEBEDAR! Brasil é isso: beber na rua. E a gente bebia na praia. Da Bica.

Num desses ircontros da vida, fomos para o shopping e depois seguimos em carreata para o local. Por lá existe um restaurante muito conhecido da galera chamado Rei do Bacalhau, que anos mais tarde, leia-se recentemente, antes de eu decidir virar um eremita, era o meu local preferido, por conta da comida, da cerveja no balde e do futebol na televisão de plasma. Compramos no Rei umas garrafas de vinho, o conhecidíssimo Sabatini, que estava mais pra suco de uva com álcool do que vinho (chega a ser uma ofensa pra uva chamar o Sabatini de vinho). Copo vai, copo vem, os nerds começam a ficar chapados. Até a moradora de rua veio beber com a gente! No meio da madrugada, decidimos ir ANDANDO pras nossas casas e o que era pra ser uma caminhada entre amigos felizes parecia mais procissão do AA.

Nesse dia, quer dizer, nessa madrugada, meu irmão me deu banho e nem sei se meus pais ouviram alguma coisa. Eu provavelmente devia estar chorando ou vomitando, não sei. Só sei que o porre excluiu o vinho da minha lista de bebidas alcóolicas por anos. E logo depois o whisky foi excluído também, bem como a cachaça. Até hoje não tomo nenhum dos dois.

E ae eu te pergunto: tem futuro?

Hoje estou comportada graças à coleira. Confesso que deslizei uma vez aqui em Vail e me rendi aos encantos de Stolichnaya. Mas foi coisa rápida e logo me recompus. Hoje sou uma nova mulher, temente a Deus e às consequências da entrega ao mundo material (e alcóolatra). Dessa água, não bebo mais (por enquanto).

Stolichnaya

PS: postado originalmente no falecido blog, em 29/05/08.

entretenimento, música

a formiguinha está viva

Sabe quando você é teletransportado pra uma fase da sua vida onde problema era não entender o que é força centrípeta?

Em Invaders Must Die, o The Prodigy volta às suas raízes anos 90, fazendo a mistura barulhenta e enloquecedora que fizeram do trio (depois quarteto e novamente trio) referência na música eletrônica mundial (electropunk, rock, big beat, hardcore techno whiskas sachê…).

Preciso listar as preferidas e hits dos caras?

Curiosidades à parte, Keith Flint era meu muso adolescente. Enquanto as outras meninas compravam Querida e Atrevida pra pegar o poster do Brad Pitt e do Felipe Folgosi, lembro de ter comprado uma Showbizz edição especial The Prodigy. Vinha com um poster gigante do Keith, de moicano e com o rosto pintado com as cores da bandeira da Inglaterra.

keith flint

miadd?

O visual da banda, aliás, era um chamariz à parte. Pra época, era algo revolucionário ter um piercing na sobrancelha ou na língua. Talvez na Europa fosse mais comum mas aqui no Brasil… Você tinha que ser roqueiro ou então dumal pra poder ter alguma parte do corpo, que não fosse a orelha, furada.

Minha mãe não entendi ao meu amor pelo The Prodigy. Não entendia porque, com 14, 15 anos, eu juntava dinheiro pra comprar o cd deles. Tenho os três primeiros, com orgulho (dinheiro suado da merenda). Fora que ela achava um horror a música e simplesmente, quando eles vieram pro Close Up Planet, em 1999, não me deixou ir no show. Tipo eu tinha 17 anos, era grandinha já! Hoje em dia esse povo com 17 anos anda tudo solto por aí, eu com 17 anos tinha que pedir pra minha mãe as coisas </raivamodeoff>. Pior que só uma amiguinha minha curtia também, mas o que adiantava, eram as duas bocós, menininha e pã. Não rolou. Tristeza.

Enfim, é isso ae. Pra quem quiser saber mais da banda, como estão hoje em dia, shows que vão rolar em qualquer canto do planeta MENOS aqui, ver fotos, só entrar no site oficial ou no Myspace. Eles tem Twitter também, gentz, que eu já sigo, né?

conversas

tic tac toe

E são quase doze meses desde que o avião decolou do Galeão deixando não apenas um amontoado de bichos de pelúcia na cama vazia mas também um tanto de saudade em corações que hoje já se encontram preenchidos. São novos os amigos e os empregos (para todos). Um já não reside mais no bairro, outro se casou/engravidou/se mandou.

O que martela mesmo é nos darmos conta que doze meses se passaram de uma vida que não sabemos quanto tempo irá durar. Pode ser muita ou pouca coisa, depende (sempre) do ponto de vista.

Os prédios na Pres. Vargas, antes no esqueleto, hoje já possuem janelas com película protetora. O metrô ganhou mais uma linha. O barzinho predileto da praça faliu. Algumas mudanças são bruscas e visíveis, outras silenciosas mas não menos avassaladoras.Veja bem, doze meses… É muito sorriso e tristeza, adeus, abraço, carinho, solidão pra se viver em apenas doze meses. Os doze meses mais intensos e estranhos de tantos meses.

A pergunta é: o que são dois, três, doze meses e meio quando o mais importante, no fundo, é o tamanho do que bate dentr da gente?

variedades, www

meme de junho

Fuçando o blog da Aninha, encontrei um post cheio de memes divertidos. Um deles me chamou atenção pois descobri que minha querida usa o mesmo perfume que eu (AHHAHA delícia, né). Resolvi respondê-lo.

Daí que tinha um outro meme lá mais fofo, falando sobre beijo e tal. Como é mês de junho, tem dia dos namorados e eu tô viada, lá vai:

1. Qual seu beijo de filme favorito? Foi difícil pensar nessa cena, porque nos últimos tempos eu só tenho visto filme de super herói, cult e esses trecos sem romance. Mas tive um estalo e me veio em mente a cena mais linda do mundo.

2. Onde você deu seu primeiro beijo? O oficial? Num  condomínio onde eu passava férias, em Angra dos Reis.
3. Quando você deu seu último beijo? 15 minutos atrás! <3
4. Diga um sabor bom pra um beijo. Depois de escovar os dentes!
5. Qual o cenário mais bonito onde você já beijou? O cenário mais bonito? Paraty!
6. Qual a música ideal para beijar? Make it Wit Chu, QOtSA.
7. Depois da boca, onde você mais gosta de beijo? Pontinha da orelha.
8. Em que celebridade/ personagem você daria um beijão? John Frusciante? :P
9. Qual a melhor hora pra beijar? Na hora do abraço apertado, o abraço do reecontro, cheio de saudade.