Browsing Tag

inspiração

conversas, run forrest run

Como se apaixonar por uma prática esportiva

Outro dia, conversando com uma amiga, ela me contava que ~me admirava~ porque tenho disposição pra acordar tão cedo no final de semana, muitas vezes nublado, frio, pra correr. Esse comentário é, talvez, o mais recorrente, a questão do “mérito” em levantar, vencendo a preguiça, a inércia, para colocar o corpo em movimento. Confesso que eu já pensei muito sobre o assunto, questionei (porque eu sempre questiono) se a coisa é realmente um mérito ou se é uma vontade que a gente passa a ter, como um hábito.

Cheguei a conclusão que o corpo passa a gostar do que encontra no final de uma prática esportiva, seja ela corrida, luta… É algo tão bom que compensa qualquer ~sacrifício~. Obrigada, endorfina!

Aliás, cabe aqui uma observação. Acredito que nada nessa vida deveria vir com o plus do sacrifício: um emprego, um relacionamento, uma reeducação alimentar. A gente é doutrinado desde cedo a batalhar pelas recompensas e isso é tão ruim! Sem amor, sem paixão, sem vontade, vira obrigação. O que era pra fazer bem acaba se transformando num fardo e pode ser que no final desse arco-íris não haja um pote de ouro te esperando. E aí, como fica? No donut for you!

No último domingo, participei da Olympikus Family Run, a prova de 6km que acompanha a Maratona do Rio de Janeiro. O clima não poderia ser melhor, já que é uma das provas mais importantes de corrida de rua do Brasil. Ali se reuniriam corredores profissionais e amadores, correndo 6 – 21 – 42 quilômetros. Pela primeira vez, corri os 6km sem caminhar e logicamente fui inundada por uma satisfação inexplicável. Deu vontade de chorar, deu vontade de gritar pra todo mundo. Pra mim, foi uma conquista maravilhosa, por tudo que o esporte trouxe pra minha vida. Esse seria um daqueles momentos onde as pessoas mandam o “você merece, treinou tanto”. Na verdade, é apenas o corpo se acostumando a uma atividade, que se repete tantas vezes que ele passa a curtir e responde de um jeito tão fantástico.

A Nike é uma marca que tem feito inúmeras campanhas focando em diferentes tipos de corredores. Uma das mais legais é a campanha “Better For It”, que mira certinho em iniciantes que acham impossível correr mais de 50 metros sem colocar o pulmão pra fora. Quantas vezes a gente já olhou pra uma determinada pessoa bombando na aula de spinning e pensou “nunca serei assim”? O vídeo abaixo fala exatamente sobre isso:

Você vai odiar aquele professor de localizada pela série absurda de abdominais. A de glúteos então, nem se fala. Também vai olhar para as esteiras ao redor e invejar loucamente aquele senhorzinho que corre tranquilamente 10km brincando. Ou então, vai se culpar pelo balé abandonado na infância quando estiver na aula de yoga, lamentando o encurtamento muscular. Mas, como tudo na vida, é preciso mirar nos benefícios, porque tudo na vida tem um lado bom (mesmo que não pareça). Segundo o Drauzio Varela, precisamos de pelo menos 30 minutos de exercícios por dia, para um ganho de qualidade de vida. E não digo aqui ficar sarado/magro/fit. Estamos falando de subir uma escada sem colocar os bofes pra fora, caminhar uma tarde inteira pelo shopping, ter mais disposição durante o dia.

Comece pegando leve: caminhe até a padaria ao invés de pegar o carro. Escolha uma aula coletiva na academia, que seja divertida. Aproveite aquela horinha do dia para cuidar de você. Encare o exercício não como uma punição pelo chocolate do fim de semana mas como um momento de carinho consigo.

Quando a gente aprende a curtir a trajetória, o fim ganha outro sentido.

acompanhe o maionese por aí:

 curta o blog no Facebook  siga no Instagram  acompanhe os tweets  snapchat: hackelz

conversas, inspiração

Motivational Monday: inspiração para dias mais leves

Segunda-feira é sempre aquela história: metade da internet lamenta que o fim de semana acabou x metade da internet que lança mão de frases motivacionais para tornar os dias mais leves. Quem nunca esteve nesse primeiro grupo de pessoas, não é mesmo? Lamentando já no domingo que no dia seguinte é dia de labuta? Dureza, amigos!

Hoje em dia sou do time que tá de bem com a vida, não importa o dia da semana. Mas nem sempre foi assim. Uma das coisas que tenho tentado trabalhar atualmente é aquela famosa visão “big picture”. A Jout Jout falou tão bem desse pensamento nesse vídeo e o que não faltam são projetos motivacionais para mostrar que nem sempre as coisas estão lindas e maravilhosas porém dá pra tentar enxergar um tico que seja de coisa boa.

Um desses projetos bacanas é o Motivational Monday. O site reúne mensagens tipográficas que variam entre “espante a preguiça da segunda” à “mantenha o foco e a positividade, o resto vem com o tempo”. Eu gosto muito desse tipo de mensagem, já perdi as contas de quantas vezes estava sem ânimo pra uma determinada coisa e depois de ler uma mensagem do tipo falei “podes crer” e calcei o tênis, fui correr. Às vezes tudo que a gente precisa é de um empurrãozinho, certo?

tumblr_mwsmqsss0H1re0a9ho1_1280

tumblr_myzeb37QWk1re0a9ho1_1280

tumblr_n15ebmGhhq1re0a9ho1_1280

tumblr_nkkarwlEYh1re0a9ho1_1280

Veja mais clicando aqui.

acompanhe o Maionese por aí:

 curta a nossa página no Facebook  siga no Instagram  acompanhe os tweets 

Ruffled - photo by http://www.kelseaholder.com/ - http://ruffledblog.com/cambria-pines-lodge-wedding/
bonitezas

Fotos de casamento em dupla exposição

A técnica da dupla exposição tem sido bastante explorada na fotografia de uns tempos pra cá. O Fubiz chamou atenção para a tendência nas fotografias de casamento, um mercado que se reinventa a cada ano – quem acompanha mais de pertinho as novidades nessa área, entende bem.

Gosto muito da energia e aura que a técnica de dupla exposição acrescenta aos retratos. E em termos de casamento, fica ainda mais maravilhoso. Estamos falando de registros onde o amor ultrapassa o limite da carne, certo?

doubleexposurewedding5

Por KT Merry Photography

doubleexposurewedding4

Por Iona Didishvili

doubleexposurewedding3

Por Feather and Stone

doubleexposurewedding2

Por Caroline Tran

.

Sempre achei que para fotografar em dupla exposição fosse necessário uma máquina analógica – no Lomogracinha há um post muito bacana sobre o assunto. Porém, se você não tiver uma câmera analógica, saiba que é possível reproduzir o efeito usando uma digital ou então “mixando” as fotografias em programas de edição.

E pra turma do iOS, indico o app dubble – que é maravilhoso! Quem conhecer pra Android, é só indicar aqui nos comentários.

Pinturas hiper-realistas de comidas
food love

Pinturas hiper-realistas de comidas

O hiper-realismo é um estilo artístico bastante trabalhado nos dias de hoje. Tanto na escultura quanto na pintura, trata-se de um trabalho que se assemelha a fotografias em alta resolução. Como se fosse verdadeiro, sabe? Recentemente, recebemos aqui no Rio a exposição do escultor Ron Mueck, com obras representando humanos em tamanho gigante, lembram?

Segundo a Wikipedia:

Os princípios essenciais do hiper-realismo, também chamado super-realismo, são os mesmos do fotor-realismo, sempre usando uma fotografia como modelo para a obra. Isso enfatiza a importância que a fotografia vem ganhando no campo da arte. A diferença em relação ao fotor-realismo está na maior minúcia dos detalhes e na alta definição geral da imagem, que torna os objetos representados aparentemente mais palpáveis e concretos, com uma ilusão de realidade maior do que a própria fotografia.

O artista plástico holandês Tjalf Sparnaay é um dos representantes desse estilo com suas pinturas e se tornou célebre por retratar comidas em suas obras. Trabalho incrível demais, dá uma olhada:

Pinturas hiper-realistas de comidas

Pinturas hiper-realistas de comidas

Pinturas hiper-realistas de comidas

Pinturas hiper-realistas de comidas

Pinturas hiper-realistas de comidas

É de ficar impressionado mesmo com a riqueza em detalhes. As texturas, as cores, sombras… Muito maravilhoso. Bateu até uma fome sinistra vendo todas essas imagens.

Vi lá no Fubiz.

Canson Colorido
variedades

Canson Colorido

Carol Burgo

Acompanho a Carol Burgo tanto no blog quanto no Instagram. Ela é dessas mulheres que vivem metidas em diversos projetos legais, sabe? Quando a “conheci” ela estava dando início a sua marca, a Prosa – onde produz desde as estampas aos modelos das peças que vende por lá. Admiro muito gente que vai lá e faz, sabe? Corre atrás, se dedica, se vira nos 30. E a Carol é uma dessas pessoas.

Além de linda, estilosa e talentosa, ela escreve textos maravilhosos. No comecinho de janeiro, Carol lançou o projeto Canson Colorido, onde compartilha bonitezas em forma de palavras. Sempre um texto curtinho acompanhado de uma aquarela. Lindo é pouco:

Canson Colorido Canson Colorido Canson Colorido Canson Colorido Canson Colorido Canson Colorido

inspiração, run forrest run

Sobre a satisfação em praticar um esporte

Outro dia circulou pela web o vídeo This Girl Can, mostrando mulheres de todos os tipos físicos, praticando os mais variados exercícios. Várias amigas minhas piraram na proposta do vídeo, não somente por ter essa pegada de incentivo à prática esportiva, que só traz coisa boa pra gente (amigos, sorrisos, sensação de satisfação), mas também pelo “quê” de empoderamento feminino. Meu corpo, minhas regras, lembram? E daí se você tá meio flácido e quer correr de shortinho? E daí que vai usar maiô pra fazer natação? Vai lá e faz, não importa o que possam estar pensando de você.

 Se ainda não assistiu ao vídeo, faça o favor e clique aqui embaixo:

assista ao vídeo This Girl Can clicando aqui

Pra quem quiser acompanhar ainda mais, o projeto é o This Girl Can >> www.thisgirlcan.co.uk.

Na escola, a gente aprendeu que toda a sensação de prazer que inunda nosso corpo após um exercício e circula pelas nossas veias numa velocidade feroz tem nome: endorfina. Quando assisti ao vídeo, achei lindo como eles inseriram essa sensação nas personagens. Cada um de nós tem uma relação com o esporte e uma delas é sim a superação. Nosso corpo vai acostumando com a repetição dos exercícios, a gente vai se sentindo melhor aos poucos. No começo é estranho e muita gente acaba largando porque fica dolorido, cansado… Mas é só pensar que seus músculos estavam ali quietinhos, operando o básico, e que agora você está levando cada pedacinho do seu corpo “além”. Longe de bancar a blogueira fitness porque né, nada a ver, mas compartilho um conselho: escolha um esporte que te tire da inércia física e mental e permita-se viver essa sensação de êxtase absoluto.

Essa é a minha relação com a corrida hoje. Com toda a dificuldade que ainda tenho por causa da minha lesão, não desisto. Decidi que quem manda na minha vida é minha cabeça e a mente, gente, ela é capaz de tudo. Ela pode te colocar pra baixo mas ela também te coloca pra cima. Mesmo sem o pace desejado, mesmo ofegante, mesmo com leves dores que eu ainda sinto, eu tô treinando, no meu ritmo. Porque o corpo pede já. Passa a ser um vício mesmo, precisar daquela substância de satisfação.

Muita gente me pergunta “como começar a correr”. Eu diria que o primeiro passo é “calce um tênis e comece a andar”. Sei que tem gente que morre de vergonha de parecer ridículo, por correr desengonçado. E o que eu posso dizer é “ninguém está reparando”. E não estão mesmo! Eu poderia elencar todos os aspectos positivos da corrida nesse post mas seria suspeito pois estou em “um relacionamento sério” com ela. Mas nem tudo são flores, certo? Sem um equipamento apropriado (tênis dos bons), sem musculação para fortalecer a sua engrenagem, e sem acompanhamento médico (liberação do cardiologista, ok do professor de educação física e se pá um fisioterapeuta), as chances de você se machucar são grandes e não queremos isso.

Nike Run

Ontem dei mais um passo no meu treinamento e estou muito contente pois pra quem há três anos recebeu na lata um diagnóstico triste, hoje me sinto vitoriosa mesmo ainda tendo que trabalhar muito na fisioterapia. São quase dois anos de tratamento até o momento e vou mentir se disser que não tô de saco cheio, que não bate uma bad de vez em quando. Mas aí entra o mantra “a mente comanda tudo” e comanda mesmo. Minhas inspirações no esporte são os atletas paraolímpicos, sem exagero. O que os motivou a falar “vou nadar” mesmo sem braço ou com uma severa atrofia muscular? A vontade de nadar. Pura e simplesmente. Penso na força desses caras quando tô com preguiça de ir pra academia ou então quando já estou quase desistindo de fazer meus 30 minutinhos na esteira. DEPENDE SOMENTE DA GENTE começar alguma coisa.

Segunda-feira começo meu treino com a GO Personal & Wellness. Hoje de noite tem prova na rua, e que promete ser tudo de bom pois estarei ao lado de amigos e família pai, vai ter DJ, vai ser a noite, talvez tenha uma chuvinha fina… Vou contar aqui depois a experiência!

Isso tudo pra dizer que acordei inspirada e quero que você também se inspire de alguma forma! <3